Bachareis em Direito poderão atuar mesmo sem ser aprovados pela OAB

advogado

Um novo projeto de lei promete ajudar a vida de bachareis em Direito que tanto se esforçam para passar no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou ontem (6), a permissão para que bachareis em direito sem aprovação na OAB possam atuar na profissão, sob a supervisão de um advogado, por até três anos.

Mas, tanto a Ordem dos Advogados do Brasil quanto a OAB- BA se mostraram contrárias ao projeto. Para o vice-presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, a proposta é inconstitucional.  ”É um absurdo legislativo, um passo atrás para a qualificação da carreira jurídica no Brasil. O Conselho Federal da OAB, com o apoio das seccionais, mobilizará os deputados e senadores pela rejeição do projeto”, afirmou Lamachia.

O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o ideal seria a ampliação do período de estágio durante o curso de Direito, podendo ter uma prorrogação de um ano após o término da graduação. “Mais do que isso, cria-se um desestímulo ao estudo e a capacitação. Não pode haver advogado de primeira e segunda linha, pois não há cidadão ou causa mais ou menos importantes. Todos são igualmente relevantes e necessitam do atendimento por um profissional aprovado no Exame de Ordem”, assegurou.

Em entrevista a Tribuna da Bahia, a Presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB – BA, Daniela Borges, também mostrou um posicionamento contrário ao projeto de lei. “Entendemos que o projeto vai criar uma categoria para resolver o problema do ensino jurídico, são milhares  de bachareis, que tiveram uma má formação, que não conseguem passar no exame da ordem, e que esse projeto vai empurrar para os escritórios de advocacia. Esse profissional que não tem uma base mínima, já que não consegue passar no exame, não está pronto para exercer a função. São pessoas que depois de cinco anos de faculdade, não conseguem se colocar no mercado de trabalho,” afirma.

Ainda segundo Borges, o que mudou não foi o exame, e sim o rendimento de ensino dos estudantes. “Temos uma pesquisa que mostra que o nível de dificuldade da prova não aumentou ao longo desses 15 anos, já o nível de reprovação sim. A solução para isso é um nível melhor de ensino. A OAB está lutando  por um movimento de redefinição dos marcos regulatórios  do curso de direito, para que no futuro essa situação mude. Para aqueles que já se formaram, a solução é buscar suprir as falhas para passar na prova,  por que isso é um sinal que há deficiência na formação do bacharel,” finaliza.

A proposta segue direto para análise do Senado caso não seja apresentado recurso para análise do texto no plenário da Câmara.

A ideia é possibilitar aos 5 milhões de bachareis  em direito no Brasil que ainda não foram aprovados no exame da ordem a chance de atuar com registro nos escritórios de advocacia, mas com funções limitadas e que não ultrapassem a prerrogativa do advogado.

Eles passariam a exercer a profissão sob a denominação jurídica de paralegal, o que significa que profissional poderia cumprir atribuições consideradas complementares e auxiliares em escritórios de advocacia ou no serviço público. O registro também teria um tempo de validade, depois de três anos, ele é anulado e o profissional só pode voltar a atuar caso seja aprovado no exame.

A bacharela em Direito Jessica Sá já repetiu a prova da OAB, três vezes, e em todas elas, esteve muito perto de passar. “Esse mês fiz o teste pela terceira vez, e na conferência do gabarito, acertei 39 questões, precisaria de 40 para passar. Todas as vezes chego bem próximo e não consigo ir à segunda fase. Estou no aguardo do resultado definitivo, já que várias questões vão ser anuladas,” explica.

Para ela, o projeto só traria benefícios aos estudantes que assim que se tornam bachareis sentem a pressão de passar ou permanecerem desempregados. “Vamos ter que continuar tentando, já que até mesmo essa licença é provisória, mas pelo menos diminuiria a pressão. Muitos colegas meus estão tentando pela quarta, quinta vez, perdem por que ficam nervosos. Além disso, permanecemos desempregados, o que faz com que muitos que investiram anos de estudo na profissão desistam e procurem um emprego que ofereça um retorno financeiro imediato, isso sem falar que quanto mais tempo passamos longe da área, mas difícil fica conseguir a OAB”, disse.

Dificuldades nos exames

O bacharel Vagner Oliveira passou quatros tentando ser aprovado, até que finalmente, desistiu. A demora foi tanta que ele preferiu partir para outra área. “Fiz uma faculdade de engenharia enquanto tentava passar no teste, quando finalmente conseguir ir para a segunda fase, já estava quase concluindo. Me apaixonei pela engenharia e optei por segui-la. Acho até que não me encaixaria mais no papel de advogado, afinal, passei muitos anos longe da prática. O exame é importante, mas o rigor com que ele é aplicado, e a política da OAB, em obrigar com que essa seja a única forma de conseguir exercer qualquer função na área de Direito, só existe para encobrir a realidade, que o teste é falho. É por isso que todas as vezes várias questões são anuladas, e por isso tantos estudantes entram com recursos para tentar a aprovação,” diz Oliveira.

Inspirado no modelo norte-americano, o paralegal não pode assinar sozinho petições, tampouco defender um cliente ou um réu nos tribunais. Ele atuará, de acordo com a proposta, executando funções burocráticas e jurídicas, como ajudar na preparação de documentos e estratégia de defesa.

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter