Projeto que regulamenta a expropriação de propriedades onde haja trabalho escravo recebe apoio do IAB

Luís Antônio Camargo de MeloLuís Antônio Camargo de Melo

“Importante, atual, urgente e necessário.” Assim, o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) definiu o projeto de lei 1.102/23, que regulamenta o artigo constitucional que prevê a expropriação de propriedades onde haja exploração de trabalho escravo. Nesta quarta-feira (15/5), a entidade aprovou parecer que apoia a proposta por entender que ela poderá contribuir com o combate ao trabalho escravo contemporâneo. “Estamos diante de uma oportunidade ímpar: fazer valer o comando constitucional que impõe a todos nós a defesa da dignidade da pessoa humana, do valor social do trabalho, bem como avançar na promoção de uma sociedade livre, justa e solidária, cediço que precisamos cumprir e fazer cumprir a Constituição de 1988”, afirma o parecer.

A proposta legislativa, de autoria da deputada federal Reginete Bispo (PT/RS), pretende regulamentar o artigo 243 da Carta Magna, que prevê que propriedades rurais e urbanas de qualquer região do País onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo sejam expropriadas. De acordo com o texto constitucional, tais propriedades devem ser destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei.

O relator do parecer aprovado no IAB, Luís Antônio Camargo de Melo, ressaltou que a proposta contribui para a garantia de justiça social e converge com os objetivos constitucionais de construir uma sociedade livre, justa e solidária e de garantir o desenvolvimento nacional. “Não é possível admitir a existência do trabalho escravo contemporâneo, crime previsto no artigo 149, do Código Penal brasileiro, diante da determinação constitucional de garantir a dignidade da pessoa humana e valorizar socialmente o trabalho”, defende o advogado. A análise do IAB também destaca a necessidade de se promover, antes da expropriação, o devido processo legal que seja capaz de comprovar a exploração do trabalho escravo.

Segundo o parecer, que foi apreciado pela Comissão de Direito do Trabalho, a proposta se aproxima da busca pela garantia do trabalho decente e poderá contribuir para a diminuição na impunidade comum a esse tipo de crime, já que pouco mais de 4% dos casos levados a julgamento resultam em condenações. “É certo que a aprovação do projeto de lei em voga trará ao mundo jurídico nacional uma ferramenta de grande valor. Já passou da hora de trazer ao nosso País a possibilidade de expropriar as propriedades rurais e urbanas nas quais for cometido o crime de redução de alguém à condição análoga à de escravo”, defende o texto.

Melo também sublinha que a responsabilização deve atingir a empresa, pessoa jurídica, e os seus proprietários, pessoas físicas. Para o relator, as punições também devem envolver “ações judiciais propostas na Justiça do Trabalho e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), principalmente, buscando a condenação em indenização por dano moral, individual e coletivo, além do pagamento das verbas contratuais e resilitórias, sem falar no impedimento de acesso a linhas de financiamento com dinheiro oriundo de bancos públicos”. Ele ainda ressaltou a importância da inclusão da empresa no Cadastro de Empregadores Infratores, conhecido como “lista suja”.

Carmela Grüne

A autora da indicação que deu origem à análise, diretora de Comunicação do IAB, Carmela Grüne, também declarou apoio ao projeto de lei. “Esse parecer segue o caminho dado pelo histórico de atuação institucional do IAB e pelo histórico de convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), abordando a temática de responsabilidade do Estado com a justiça social”, elogiou a advogada.

Fonte IAB

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter