Operação Solidária: TRF4 mantém bloqueio de bens de executivos da Magna

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve bloqueados, em julgamento na última semana, os bens de dois executivos que respondem a processos de improbidade administrativa relativos à Operação Solidária, que investigou o desvio de verbas públicas destinadas à merenda escolar, à saúde e a obras do município de Canoas (RS).

Adejalmo Figueiredo Gazen e Edgar Hernandes Candia são donos da empresa Magna Engenharia, que teria servido de meio para lavagem do dinheiro desviado pelo ex-secretário do governo de Canoas, Francisco Fraga. Eles impetraram o recurso no tribunal alegando que a construtora corre o risco de fechar por falta de capital e que não estão conseguindo manter seu padrão de vida.

No agravo de instrumento ajuizado, os executivos apresentaram suas despesas mensais. Cada um demonstrou um orçamento superior a R$ 30 mil. Segundo a defesa, “o bloqueio representa a mais degradante penúria pela falta do mínimo existencial indispensável para o próprio sustento e o de suas famílias”. Atualmente, os réus recebem apenas os proventos da aposentadoria, liberados pela Justiça.

Segundo a relatora, desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, os valores bloqueados servem de garantia de ressarcimento ao erário e pagamento de multas em caso de condenação dos executivos pelas fraudes. “A garantia do mínimo existencial a ser protegido do bloqueio de bens, determinado em ação cautelar vinculada à ação civil pública de improbidade, é aquele relativo às despesas indispensáveis, e não à manutenção de padrão de vida”, esclareceu a desembargadora.

Na relação de despesas apresentadas ao juízo estão gastos com academia, provedor de internet, jardineiro, segurança, assinaturas de jornais e revistas, além de despesas com cartões de crédito, cujo conteúdo é incerto.

Operação Solidária

A Operação Solidária foi deflagrada pela Polícia Federal em 2007 com o objetivo de investigar fraudes em licitações de Canoas e irregularidades em outras cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre envolvendo fornecimento de merenda escolar, construção de estradas, obras de saneamento e de irrigação, entre outras.

Os réus respondem civil e criminalmente na Justiça Federal da 4ª Região. O processo diz respeito à ação de improbidade administrativa, de natureza cível.

Fonte: TRF4

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter