Magistrados discutem novo método para ressocializar presos

O método de Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) foi discutido durante audiência pública realizada no dia 29 de junho, na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC). A iniciativa humaniza o cumprimento de penas, oferecendo melhores condições em unidades prisionais.

Representando o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) no evento, o juiz auxiliar da Presidência, Cleber de Castro Cruz, disse que o Tribunal vê a APAC como um “método revolucionário de reinserção de apenados para que a pena cumpra o efeito da reintegração à sociedade”.

O magistrado destacou o empenho do Tribunal na implantação de uma APAC no Ceará. “Com a Sejus [Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado], estamos viabilizando a possibilidade de firmar convênio para que possamos, junto aos órgãos que são atores da execução penal, criar as diretrizes para tornar esse método uma realidade em nosso Estado”.

O juiz corregedor dos presídios de Fortaleza e titular da 1ª Vara de Execução Penal, Luiz Bessa Neto, lembrou que a implantação deve ser trabalhada com muito equilíbrio. “Devemos partir de um primeiro passo simples, observar como a situação está evoluindo, para que possamos agigantar a perspectiva de sedimentar o projeto no Ceará”.

A magistrada Luciana Teixeira, titular da 2ª Vara de Execução Penal da Capital, enfatizou que a “APAC é um sistema alternativo de cumprimento de pena que tem como princípio basilar a dignidade da pessoa humana, pois investe na recuperação do homem através da humanização”.

Para o juiz Cezar Belmino, titular da 3ª Vara de Execução Penal de Fortaleza, a participação do apenado é a principal caraterística do método, sendo fundamental no êxito do projeto. “A APAC insere o apenado na sociedade com sucesso, pois são baixos os índices de reincidência. O Ceará só tem a ganhar com esse projeto”.

A magistrada Graça Quental, titular da Vara de Penas Alternativas e Habeas Corpus (Vepah) da Capital, explicou que o método enfoca a “responsabilidade do indivíduo e o cuidado do ser em todo o seu aspecto espiritual, moral e cívico”. Ela acrescentou que a Vepah realiza um trabalho baseado na APAC, junto à Escola de Perdão e Reconciliação (Espere).

Audiência
A audiência foi aberta pelo secretário da Justiça e Cidadania do Estado, Hélio Leitão. Ele considerou o evento como um primeiro passo para romper paradigmas e implantar o projeto. “O desafio que me impus e que me anima é essa compreensão de que precisamos buscar novas alternativas penais, novos modelos”.

Em seu discurso, a vice-governadora Izolda Cela ressaltou o envolvimento direto da Presidência do TJCE e o empenho dos juízes das Varas de Execução Penal no projeto, além das vantagens do novo modelo. Entre elas, o fato dos apenados se ocuparem o dia inteiro, a organização e limpeza dos espaços, o custo abaixo do padrão no sistema prisional e os baixos índices de reincidência.

“Quero compartilhar o sentimento de que é possível recuperar pessoas quando há elementos para tanto. Isso é uma convocação para que possamos nos comprometer com algo que é real, que já tem experiências”, reconheceu a vice-governadora.

Em seguida, o juiz Paulo Antônio de Carvalho, da Comarca de Itaúna (MG), falou de sua experiência na implantação de APACs, pesquisas sobre os problemas das penitenciarias, na recuperação de presos e sobre a aprovação do método pela sociedade. “A comunidade, que é fundamental, tem a tendência a atuar de maneria amena. A APAC humaniza o cumprimento da pena, mas continua sendo um presídio. Não se pode sair desse limite, quanto a deveres e direitos”.

Os participantes também assistiram a vídeo sobre as APACs. No período da tarde, foi realizado seminário para tratar de detalhes como trabalho, estudo, assistência jurídica e saúde dos internos dentro de uma APAC. O seminário será concluído neste sábado, dia 27.

Também participaram da audiência o promotor de Justiça Silvio Lúcio Correia; o procurador Geral do Estado, César Barroso Leal; a presidente do Conselho Penitenciário do Ceará, promotora Camila Barbosa; o diretor da Faculdade de Direito da UFC, Cândido Albuquerque; o deputado federal Chico Lopes; a defensora pública Karine Matos; e o presidente do Conselho da Comunidade de Fortaleza, Cláudio Justa, entre outros.

Histórico
A primeira APAC surgiu em São José dos Campos (SP) em 1972. A segunda, em 1986, em Itaúna (MG). As APACs são ligadas à Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), filiada à Sociedade Internacional de Prisão, organização que presta consultoria à Organização das Nações Unidas (ONU) sobre assuntos penitenciários.

O método se fundamenta em elementos como participação da comunidade, assistência à saúde e ajuda mútua entre os internos, que também cuidam da unidade onde cumprem penas.

Fonte: TJCE

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter