Instituto dos Advogados defende que a reforma trabalhista não se aplica de forma retroativa

Da esq. para a dir., no alto, Kátia Rubinstein Tavares, Carmela Grüne e Sydney Limeira Sanches; embaixo, Jorge Rubem Folena, Elian Araújo e Sérgio Sant’AnnaDa esq. para a dir., no alto, Kátia Rubinstein Tavares, Carmela Grüne e Sydney Limeira Sanches; embaixo, Jorge Rubem Folena, Elian Araújo e Sérgio Sant’Anna

Para o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), as regras da reforma trabalhista não devem ser aplicadas a contratos de trabalho que já estavam em vigor antes da aprovação da Lei 13.467/2017. O posicionamento foi definido pela entidade nesta quinta-feira (16/5), em parecer aprovado sobre o tema, que está em análise no Tribunal Superior do Trabalho (TST). De acordo com o estudo, a Corte deve levar em consideração “pela prevalência do respeito ao direito adquirido, pela garantia individual, reconhecida na Constituição Cidadã como cláusula pétrea, na qual deve prevalecer a tese de impossibilidade de aplicação da reforma trabalhista aos contratos em curso, observando o direito adquirido e o ato jurídico perfeito”.

O limite temporal para a aplicação da reforma é questão submetida a apreciação do TST para que o entendimento sobre o tema seja unificado. A origem do debate se dá no caso de uma ex-funcionária da JBS que pede a remuneração pelo tempo em que se deslocava ao trabalho. No processo, ela inclui a demanda desde o início do contrato, em 2013, até o seu fim, em 2018. A defesa da empresa argumentou que a reforma trabalhista estabeleceu que o tempo de percurso não é mais considerado como tempo à disposição do empregador, impedindo seu pagamento.

O parecer da Casa de Montezuma afirma que a vedação à retroatividade das leis é um consenso civilizatório de justiça e de valores humanos garantido pelo Direito nacional e internacional. “É importante relembrar que o poder constituinte expressou para as gerações presentes e futuras o compromisso com a defesa da dignidade da pessoa humana, pela redução das desigualdades sociais e regionais, indicando que a ordem econômica brasileira deve ser pautada na justiça social, assegurando ainda aos trabalhadores e às trabalhadoras outros direitos que visem à melhoria de sua condição social, em observância ao direito adquirido e à vedação ao retrocesso social”, assevera o estudo.

A relatora do parecer, Carmela Grüne, ressaltou que a Justiça do Trabalho deve aplicar em suas decisões o respeito aos direitos adquiridos, que são aqueles fundados à época das condições estabelecidas no contrato de trabalho. “Nem no Direito Penal a lei retroage, se não para benefício do réu. Não há vazio constitucional, nem no que está disposto na lei da reforma trabalhista quando esta é aplicada. Está dito expressamente, no início da norma, que ela é aplicada às novas relações de trabalho. A pessoa trabalhadora não pode ser prejudicada por imposição de condições prejudiciais sendo o contrato de trabalho anterior à reforma”, disse a advogada.

Grüne também destacou que o tema não é de mera expectativa de Direito, mas sim de uma situação jurídica consolidada pela relação laboral estabelecida e que se perpetua no tempo. “Precisamos de segurança jurídica, pelo respeito ao direito adquirido oriundo das condições estabelecidas em leis e regulamentos, incorporadas ao patrimônio jurídico da pessoa trabalhadora, quando da admissão, de modo a possibilitar a previsibilidade de um futuro melhor”, afirmou a relatora.

Com a aprovação do parecer, além de encaminhá-lo às autoridades nacionais competentes, o IAB enviará o estudo para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e verificará o cabimento de sua participação como amicus curiae junto ao TST, a fim de contribuir com o debate da questão.

Fonte IAB

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter