Inseminação artificial caseira: sabia que isso é possível ?

Coluna Direito da Família e Direito Sucessório, por Renata Vilas-Bôas, articulista do Jornal Estado de Direito

 

 

 

     Não é o primeiro caso, nem também será o último, mas é um dos que está tendo repercussão na mídia, e então não podemos deixar de comentar aqui o seu significado.

     Maria e Joana são duas mulheres que se apaixonaram, casaram e resolveram aumentar a sua família. A nossa Constituição Federal protege essa entidade familiar e, dentro da ideia do planejamento familiar elas planejaram, ter filhos.

     Contudo, o tratamento, por meio de uma clínica, é inacessível para o poder aquisitivo delas. E dessa forma, optaram por fazer uma inseminação artificial caseira. Para isso precisavam encontrar um doador, que, sem formação de qualquer laço conjugal, e por sua livre e espontânea vontade pudesse doar o material genético.

     E assim, por meio de utilização de uma seringa, foi feita a inseminação caseira.

     Depois de constada a gestação, o primeiro sonho já estava concretizado, que era da concepção do bebê, as mães saíram em busca do segundo sonho, qual seja, registrar a criança no nome das duas mães.

     Para isso precisaram ingressar com uma ação para que a inseminação artificial heteróloga fosse reconhecida pelo Judiciário e com isso poder registrar a criança no nome das duas mães.

     E assim foi feito, e a sentença veio favorável, autorizando que as duas mães pudessem registrar a criança logo assim que esta nascesse em nome das duas.

     Essa decisão vinda do Rio Grande do Sul é uma concretização do princípio constitucional de planejamento familiar e da parentalidade responsável, reconhecendo a Maria e Joana como uma entidade familiar e que como tal deve ser amparada.

     Destaca-se ainda que a referida decisão não afeta direito de terceiro, que venha posteriormente a discutir a paternidade dessa criança.

     Segue abaixo a íntegra da sentença proferida no caso em análise.

 

renata vilas boas
*Renata Malta Vilas-Bôas é Articulista do Estado de Direito, advogada devidamente inscrita na OAB/DF no. 11.695. Sócia-fundadora do escritório de advocacia Vilas-Bôas & Spencer Bruno Advocacia e Assessoria Jurídica, Professora universitária. Professora na ESA OAB/DF; Mestre em Direito pela UPFE, Conselheira Consultiva da ALACH – Academia Latino-Americana de Ciências Humanas; Acadêmica Imortal da ALACH – Academia Latino-Americana de Ciências Humanas; Integrante da Rete Internazionale di Eccelenza Legale. Secretária-Geral da Rede Internacional de Excelência Jurídica – Seção Rio de Janeiro – RJ; Colaboradora da Rádio Justiça; Ex-presidente da Comissão de Direito das Famílias da Associação Brasileira de Advogados – ABA; Presidente da Comissão Acadêmica do IBDFAM/DF – Instituto Brasileiro de Direito das Familias – seção Distrito Federal; Autora de diversas obras jurídicas.

SEJA  APOIADOR

Valores sugeridos:  | R$ 20,00 | R$ 30,00 | R$ 50,00 | R$ 100,00 |

FORMAS DE PAGAMENTO

 
Depósito Bancário:

Estado de Direito Comunicação Social Ltda
Banco do Brasil 
Agência 3255-7
Conta Corrente 15.439-3
CNPJ 08.583.884.000/66
Pagseguro: (Boleto ou cartão de crédito)

 

R$10 |
R$15 |
R$20 |
R$25 |
R$50 |
R$100 |

 

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter