15 anos depois e o Trânsito em Julgado

 

Título Original – 15 anos depois e o Trânsito em Julgado: Indenização de 400 mil reais

     Era 2005 e um casal teve a triste notícia que aquele bebê que a moça carregava em seu ventre não teria viabilidade, ou seja, assim que nascesse viria à óbito em decorrência de má-formação que não lhe permitia ter uma vida extrauterina.

     Depois de consultar diversos médicos, e sempre obtendo a mesma resposta, buscou o Judiciário para realizar a antecipação do parto, já que a vida não seria viável.

     Obtendo a resposta favorável, foi até o hospital e iniciou o procedimento. Nisso, os médicos foram surpreendidos com uma decisão liminar num Habeas Corpus que determinava a suspensão do procedimento.

     Com isso, a moça retorna a sua cidade natal e, mesmo sentido dores, nenhum médico pode lhe ajudar, pois qualquer procedimento pode ser considerado abortivo.

     Sangrando, sofrendo e sentido dor, passando por todo esse sofrimento – sem amparo do Judiciário, sem amparo dos médicos, impedidos pelo Judiciário – acaba expulsando o feto e se confirma o diagnóstico.

Fonte: pixabay

     Passado 15 anos depois temos o desfecho final, confirmando no Supremo Tribunal Federal a decisão do Superior Tribunal de Justiça. A condenação do padre que ingressou com o Habeas Corpus, causando todo o sofrimento e dor nessa família a pagar uma indenização na casa dos 400 mil reais.

     Mas, nenhum valor é capaz de apagar a dor e o sofrimento pelo qual essa família passou e que foi causado pelo padre em questão.

     Desse julgado surgem diversos discursões jurídicas, a primeira refere-se à questão do manuseio do Habeas Corpus. Afinal, esse seria um remédio constitucional que qualquer pessoa poderia utilizar, e que portanto, o seu uso pelo réu seria um direito legítimo. E o Tribunal ao entender que o seu uso ocorreu de forma indevida, estaria atacando esse remédio jurídico.

     Por certo que esse é um instituto importantíssimo, não apenas em nosso sistema, mas também em outros. Por outro lado,  nada é absoluto, e tudo comporta uma exceção, e portanto, essa poderia ser uma exceção.  Não se trata de considerar a impetração do Habeas corpus como crime, mas sim de exercer esse direito de forma abusiva.

     Está sendo alardeado que a indenização está na monta de 400 mil reais, e discute-se se essa valor não seria exagerado. E como se chegou a esse valor? É um valor meramente punitivo ou um valor que visa fazer com que a parte ré e outros, se abstenham de ter essa mesma conduta? Exercendo assim, a função educativa da responsabilidade civil?

     O padre em questão afirma não possuir bens para arcar com o valor dessa indenização e diante disso, passado esses 5 anos, essa decisão acabará sendo letra morta, pois sem conseguir localizar bens para serem penhorados, essa dívida não será quitada, e passado alguns anos, nem a dívida irá mais existir.

     De tudo que aconteceu… só a dor da família que irá permanecer.

  Para entender melhor o contexto, recomendo o filme Habeas Corpus disponível no Youtube através do link: https://vimeo.com/6123069

 

renata vilas boas
*Renata Malta Vilas-Bôas é Articulista do Estado de Direito, advogada devidamente inscrita na OAB/DF no. 11.695. Sócia-fundadora do escritório de advocacia Vilas-Bôas & Spencer Bruno Advocacia e Assessoria Jurídica, Professora universitária. Professora na ESA OAB/DF; Mestre em Direito pela UPFE, Conselheira Consultiva da ALACH – Academia Latino-Americana de Ciências Humanas; Acadêmica Imortal da ALACH – Academia Latino-Americana de Ciências Humanas; Integrante da Rete Internazionale di Eccelenza Legale. Secretária-Geral da Rede Internacional de Excelência Jurídica – Seção Rio de Janeiro – RJ; Colaboradora da Rádio Justiça; Ex-presidente da Comissão de Direito das Famílias da Associação Brasileira de Advogados – ABA; Presidente da Comissão Acadêmica do IBDFAM/DF – Instituto Brasileiro de Direito das Familias – seção Distrito Federal; Autora de diversas obras jurídicas.

 

SEJA  APOIADOR

Valores sugeridos:  | R$ 20,00 | R$ 30,00 | R$ 50,00 | R$ 100,00 |

FORMAS DE PAGAMENTO

 
Depósito Bancário:

Estado de Direito Comunicação Social Ltda
Banco do Brasil 
Agência 3255-7
Conta Corrente 15.439-3
CNPJ 08.583.884.000/66
Pagseguro: (Boleto ou cartão de crédito)

 

R$10 |
R$15 |
R$20 |
R$25 |
R$50 |
R$100 |

 

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter