Polícia pede a prisão de taxista e identifica suspeitos de matar delegado

Um maior e outro menor já foram identificados e estão sendo procurados.
Arma do delegado morto foi encontrada na casa de um dos suspeitos.

Dois homens suspeitos de matarem o delegado Gilvan Marcílio de Freitas Júnior em Santos, no litoral de São Paulo, foram identificados. O taxista, que levou os dois criminosos até o local e os auxiliou na fuga, foi detido e terá a prisão temporária decretada. A arma do delegado morto foi encontrada na casa de um dos suspeitos.

De acordo com o delegado da Seccional de Santos, Roni da Silva Oliveira, o crime foi um latrocínio, um roubo seguido de morte. Os assaltantes não sabiam que a vítima era um delegado. “Foi feita uma abordagem porque ele passava na rua. Eles saíram para assaltar. Eles usavam o táxi como escudo. Ninguém suspeita de um táxi”, disse ele.

O taxista Felipe Soares de Oliveira, de 25 anos, que deixou os assaltantes o os ajudou na fuga, se apresentou na Delegacia Sede de São Vicente. A polícia solicitou à empresa de táxi dados sobre o rapaz, que divulgou a situação para os funcionários. Por esse motivo, o delegado acredita que o rapaz se apresentou na delegacia e contou sua versão sobre o caso. Porém, ele não convenceu a polícia. “Percebendo que ele seria identificado, ele apresentou um álibi que foi destruído por ele mesmo. Ele deu um depoimento rico em detalhes e os fatos deixaram claros que ele não era um taxista. Ele foi detido e vai ser apresentada a prisão temporária dele durante a tarde”, disse Oliveira.

O taxista ainda levou os policiais até a casa de Danilo Rocha Ferreira, de 19 anos, que é um dos suspeitos do crime. A polícia encontrou a arma do delegado Gilvan dentro da casa, que fica em São Vicente. Os familiares disseram que não sabiam onde o jovem estava. “Vamos obter a prisão temporária dele e, sendo encontrado, ele fica preso temporariamente. Algumas testemunhas já o reconheceram por fotos”, afirmou o delegado. Segundo ele, o terceiro suspeito do latrocínio já foi identificado e é menor de idade.

Para o delegado, o crime está parcialmente esclarecido. “Falta bem pouco. Foi um latrocínio. Já temos dois identificados e agora um terceiro”, disse Oliveira. Além da Delegacia Seccional, equipes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e do 7º Distrito Policial de Santos auxiliam na investigação do caso.

Caso
O delegado Gilvan Marcílio de Freitas Júnior atuava em Cubatão (SP). Ele foi assassinado a tiros, por volta das 22h deste domingo (16), na esquina das ruas Pernambuco e República Argentina, em Santos, no litoral de São Paulo.  Dois homens a pé se aproximaram, efetuaram os disparos e fugiram em um táxi. A vítima chegou a ser levada para a Santa Casa de Santos, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Imagens de monitoramento de residências próximas flagraram toda a ação. A vítima teve a arma roubada.

Fonte: http://g1.globo.com/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter