O desmonte do programa de ações afirmativas na UFRGS

Se você deseja se tornar um colunista do site Estado de Direito, entre em contato através do e-mail contato@estadodedireito.com.br
Fonte: Ufrgs.br

Fonte: Ufrgs.br

A busca de soluções para a desigualdade social e a defesa da ação afirmativa

Em 2003, ainda na faculdade de direito, montamos um grupo de estudos em ações afirmativas [1], no qual tínhamos como principal objetivo a discussão e a busca de soluções para um quadro de desigualdade social que foi, em grande parte, resultado de um processo secular de escravidão de seres humanos.

Acreditávamos que o direito não deveria mais ficar alheio à efetivação do reconhecimento da diversidade humana na formação brasileira. Nosso objetivo naqueles anos foi a defesa da ação afirmativa nas universidades brasileiras. A ação afirmativa, como política de discriminação positiva ou discriminação inversa[2], apresenta-se como a mais elaborada tentativa de engenharia social, com um plano de suprimir desigualdades profundas no cenário social brasileiro, e de acordo com as tentativas de proteção das diversidades multiculturais[3].

Mudanças de paradigma

Ao falarmos de ação afirmativa, precisamos lembrar que a mesma ganhou força dentro de um panorama constitucional, em que novos paradigmas e categorias de interpretação (mutação constitucional) foram sendo construídos pelos doutrinadores e pelos tribunais. Segundo Barroso, ocorreram três mudanças de paradigma que abalaram a interpretação constitucional tradicional. A primeira das mudanças diz respeito à superação do formalismo jurídico. É no pensamento clássico que se encontram as justificações do formalismo jurídico, segundo Barroso “expressavam o interesse ideológico dos setores hegemônicos”[4]. Uma primeira justificação desse formalismo estava na ideia “de que o direito era a expressão da razão, de uma justiça imanente”[5]; a segunda justificação abraça-se à ideia “de que o direito se realizava, se interpretava, se concretizava mediante uma operação lógica e dedutiva, em que o juiz fazia a subsunção dos fatos à norma, meramente pronunciando a consequência jurídica que ela já continha”[6].

Luis Roberto Barroso Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Luis Roberto Barroso
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Para superação dessas duas justificações, deu-se a partir do século XX a criação de duas novas abordagens para o exercício da interpretação constitucional. Barroso apresenta como a primeira abordagem inovadora a ideia de que “o direito é, frequentemente, não a expressão de uma justiça imanente, mas de interesses que se tornam dominantes em um dado momento e lugar”[7]. A segunda abordagem está na ideia de que “em grande quantidade de situações, a solução para os problemas jurídicos não se encontrará pré-pronta no ordenamento jurídico”. Para o autor, esta precisará ser construída de maneira argumentativa pelo intérprete ou pelos intérpretes, se for adotada a concepção defendida por Häberle[8].

Uma segunda mudança é a que se deu com o advento de uma cultura pós-positivista, nas palavras de Barroso, “para achar a resposta que norma não fornece, o direito precisa se aproximar da filosofia moral – em busca da justiça e de outros valores”[9]. Com efeito, a estratégia dessa abordagem é tratar de problemas jurídicos desconsiderando ou elevando os limites das normas, no sentido de ver a norma como não mais a única fonte de solução de problemas jurídicos.

Por fim, a terceira e última mudança de paradigma foi a que ocorreu na ascensão do direito público com a centralidade e supremacia da Constituição. Segundo Barroso, “toda interpretação jurídica deve ser feita à luz da Constituição, dos seus valores e dos seus princípios. Como consequência, reitera-se, toda interpretação jurídica é, direta ou indiretamente, interpretação constitucional”[10]. O essencial é que os casos difíceis, em especial, o programa de ação afirmativa, na sua modalidade cotas raciais, passa a ter um terreno constitucional fértil para sua efetivação. “A nova interpretação constitucional surge para atender às demandas de uma sociedade que se tornou bem mais complexa e plural”, conclui Barroso[11].

Os programas de ação afirmativa

Diante desse quadro favorável, o Brasil passou a adotar há alguns anos, os programas de ação afirmativa. Não é de se supor que isso tenha ocorrido sem percalços. Atualmente, estamos passando por um processo de retrocesso das políticas de promoção da igualdade social. Temos um exemplo bem claro com a notícia de que o Conselho Universitário da UFRGS (Consun) irá, provavelmente, aprovar a proibição da migração de candidatos cotistas para o sistema universal, vem, caso aprovado, deixar claro a manobra que está ocorrendo para o desvirtuamento da Lei de Costas na UFRGS. Ao proibir a migração, a UFRGS acaba por definir uma reserva máxima para os cotistas, indo de encontro ao que determina a lei 12.711/2012. A lei determina em seu art.1º, o percentual mínimo de 50% para candidatos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.  O que a UFRGS está buscando fazer é estabelecer a reserva com teto máximo, o que, por certo, acaba violando a lei em seus aspectos interpretativos, ou seja, viola a finalidade da lei de promover a diversidade dentro da universidade.

Conselho Universitário da UFRGS Fonte: Ufrgs.br

Conselho Universitário da UFRGS
Fonte: Ufrgs.br

Há, ao que tudo indica, a capitulação do programa de ações afirmativas –escolas públicas por um viés de favorecimento das escolas particulares. Nessa linha, os argumentos apresentados pelo Consun como, por exemplo, a melhora na transparência do processo de chamamento, não evidencia como a solução mais adequada à fixação de proibição de migração de cotistas para o sistema universal. Há problemas extrínsecos à situação dos cotistas, no qual, vislumbramos como insuficientes para a alteração do atual modelo de chamamento de candidatos aprovados na UFRGS.

É preciso lembrar que as cotas raciais no Brasil, desde o ano de 2012, têm status constitucional reconhecido pelo STF. Já a Suprema Corte dos Estados Unidos, em uma decisão histórica, Fisher v. University of Texas at Austin,  ocorrida em junho deste ano, decidiu que a cota racial para admissão de novos alunos nas universidades não viola o princípio de igualdade perante a lei.

Dados fornecidos (ZH/Ensino Superior) dão conta que, neste ano 420 alunos cotistas de escolas públicas entraram pelo acesso universal. A UFRGS através do seu Conselho Universitário deve analisar seriamente a decisão, que por si, mostra-se temerária diante das possíveis ações na justiça para fazer valer a lei de cotas nas universidades.

Referências:

[1] Fazíamos parte do Núcleo de Ações Afirmativas. Entre os integrantes estavam, Marcelo Sgarbossa, Carla Letícia Pereira Nunes, Gleidson, Valter, Lisandro, Pietra, Pérola Sampaio, Taís e tantos outros importantes integrantes. Para se ter uma ideia da importância do núcleo, fizemos uma manifestação no vestibular de 2004, exigindo da UFRGS a implementação do programa de ações afirmativas.
[2] Dworkin conceitua discriminação inversa no capítulo mais importante sobre o tema da ação afirmativa na obra, já mencionada, “Uma Questão de Princípio”, capítulo XIV.
[3] Sobre a abordagem sobre o multiculturalismo, trabalho e consumo, ver: JUNIOR, José Alcebíades de Oliveira (Org.). Direitos Fundamentais e Contemporâneos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012. Especialmente os artigos de Vanessa Del Rio Szupszynski, sobre o reconhecimento nas modernas relações sociais de trabalho, e de Ardyllis Alves Soares, sobre o multiculturalismo nas relações de consumo.
[4] BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013, p. 333-334.
[5] Ibidem.
[6] Ibidem.
[7] Ibidem.
[8] Häberle assume o desafio de defender a ampla participação dos interessados nos temas constitucionais. Segundo o autor, “uma teoria constitucional que se concebe como ciência da experiência deve estar em condições de, decisivamente, explicitar os grupos concretos de pessoas e os fatores que formam o espaço público, o tipo de realidade de que se cuida, a forma como ela atua no tempo, as possibilidades e necessidades existentes. A pergunta em relação aos participantes da interpretação constitucional deve ser formulada no sentido puramente sociológico da ciência da experiência. Deve-se indagar, realisticamente, que interpretação foi adotada, a forma ou a maneira como ela se desenvolveu e que contribuição da ciência influenciou decisivamente o juiz constitucional no seu afazer hermenêutico. Essa questão configura um enriquecimento e uma complementação da teoria da Constituição, que indaga sobre os objetivos e os métodos. Ela desempenha uma função auxiliar de informação ou de mediação”. (HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional: a sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para interpretação pluralista e procedimental da constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Fabris Editor, 2002, p. 19-20)
[9] BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013, p. 333.
[10] Ibidem.
[11] Ibidem.

 

Lúcio Antônio Machado Almeida é Articulista do Jornal Estado de Direito – Professor Universitário na Faculdade de Direito da Dom Bosco, Doutor em Direito pela UFRGS, Mestre em Direito pela UFRGS, Advogado e integrante da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RS, Pesquisador sobre Ações Afirmativas no Brasil e nos EUA, Autor do livro: Direito Constitucional às Cotas Raciais: a contribuição de Joaquim Nabuco, Editora Buqui, 2015.
Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter