Lula em Teerã. Erro ou acerto?

Artigo veiculado na 26ª edição do Jornal Estado de Direito, ano IV, 2010.

 

Almir Morgado* Eugênio Maria Gomes**

Com o título de “Tango em Teerã”, a Revista “The Economist” publicou, um artigo sobre o polêmico episódio protagonizado pela diplomacia brasileira, recentemente.
Ainda não se sabe ao certo se o título se deveu ao comum desconhecimento da realidade brasileira, por parte de alguns veículos de informação estrangeiros, confundindo-nos, em alguns pontos, com nossos vizinhos portenhos, ou se foi apenas uma brincadeira. Afinal, nem brasileiros nem iranianos tem o tango como referência cultural, tampouco esse sensual tipo musical se prestaria, adequadamente, como trilha sonora para o encontro.
Desinformação a parte, o fato é que a participação do Brasil nas altas rodas da diplomacia mundial produziu, tanto na mídia nacional quanto estrangeira, uma infindável quantidade de artigos, entrevistas, mesas-redondas, críticas e elogios.
Em uma parte da imprensa brasileira, percebeu-se uma profunda dificuldade em superar certo sentimento de inferioridade em face de alguns outros países; um relativo preconceito com a pessoa do Presidente da República; uma aparente desqualificação, de alguns comentaristas, para analisar tema tão complexo; um pretenso desconhecimento da capacitação do quadro diplomático brasileiro e, principalmente, a utilização negativa do evento com fins político- partidários.
Na imprensa estrangeira, verificou-se, de início, uma relativa surpresa com a “ousadia” do Brasil; também, uma tentativa de analisar o ocorrido segundo os padrões até então vigentes na diplomacia internacional ocidental – a hipocrisia, o confronto, o medo, as ameaças. Na média, porém, a imprensa internacional foi muito mais delicada no tratamento da matéria do que alguns setores da sociedade brasileira.
O trabalho da diplomacia brasileira foi taxado de ingênuo, de amador. Se medirmos a qualidade do trabalho diplomático de um país pela capacidade de resolver seus conflitos internacionais pelo consenso; de poupar a vida de seus soldados e de seus cidadãos, evitando a todo custo à solução armada e de projetar internacionalmente, uma imagem afável do país e de seu povo, a diplomacia brasileira pode ser tudo, menos amadora, ou ingênua.
Na verdade, pelos critérios citado acima, “amadorismo” se aplicaria melhor à diplomacia dos principais atores da “comunidade internacional”. Se assim não fosse, não teríamos países que há séculos protagonizam guerras sangrentas, países que banharam seu território com o sangue de seus próprios cidadãos; que tiveram suas cidades devastadas incontáveis vezes; que titularizaram algumas das maiores barbáries já vistas, e que somente há alguns poucos anos, conseguiram viver numa relativa tranqüilidade com seus vizinhos próximos, demonstrando uma profunda dificuldade em aceitar as diferenças étnicas, religiosas, políticas e culturais recíprocas.
Não. A diplomacia brasileira não é, nem nunca foi ingênua. De fato, não se percebe uma integral coerência na maneira como o Brasil tem agido internacionalmente. Há de se questionar se há ou não há alguma confusão entre os interesses do Estado brasileiro, a ser defendido permanentemente pelo Itamaraty, com certa visão ideológica da política internacional por alguns membros do Governo.
Porém, é certo que, doravante, entre erros e acertos, política internacional passará a ser um assunto de interesse geral, numa prova inconteste do grau de desenvolvimento que alcançamos e do poderio econômico que estamos atingindo.
Torna-se importante, também, o registro de que não é crível que a atuação brasileira tenha ocorrido à revelia do Governo americano. Aliás, isso ficou claro com a divulgação de uma carta enviada a Brasília pelo Presidente Obama.
Mas então, o que deu errado?
Na verdade, não parece que a tentativa tenha falhado. O Brasil e a Turquia obtiveram algo que até entao nao tinha sido obtido. Nao uma solução definitiva ou completa para a questão iraniana, mas um início, uma possibilidade de se criar confiança, de se iniciar maiores conversações e, quem sabe, chegar-se a um consenso.
Foi legítima, impregnada de boa-fé, e não de ingenuidade, a tentativa turco-brasileira de mediar um acordo entre o Irã e o ocidente. Como membro do Conselho de Segurança, ainda que não permanentes, esses dois países tem legitimidade para intervir positivamente na solução de um conflito que potencialmente pode prejudicar seriamente a paz mundial. No caso particular do Brasil, a legitimidade funda-se ainda, num histórico de pacificidade, nao agressão, respeito a auto-deterninação e, principalmente: trata-se de um país que renunciou a projeto de construção de armas nucleares, quando estava próximo de fazê-lo e compartilha com seus vizinhos um espaço livre dessa terrível ameaça.
Em relação à postura do Brasil nas questões internacionais nosso Presidente está se apresentando como um divisor de águas: de simples observador a protagonista da História.
O símbolo desse divisor de águas foi captado por um repórter da revista alemã “Der Spiegel” que numa reportagem recente fez alusão a uma passagem ocorrida em 2003, na primeira aparição internacional importante do Presidente Lula, na reunião de cúpula do G8 na França, onde o Presidente abandonou a denominada “síndrome de vira-latas”, termo utilizado para designar o arraigado complexo de inferioridade que os brasileiros demonstravam em relação aos norte-americanos e aos europeus.
Segundo a revista este foi o episódio: um grupo de pessoas estava sentado no saguão do hotel onde ocorria a conferência, aguardando o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Quando os norte-americanos finalmente entraram, todos se levantaram – menos Lula, que ordenou ao seu ministro das Relações Exteriores que também permanecesse sentado. “Eu não participarei desta subserviência”, declarou o presidente brasileiro. “Afinal, ninguém se levantou quando eu entrei”.

 

* Autor de obras de Direito Administrativo e Direito do Trabalho pelas Editoras Impetus e Elsevier. Professor Titular de Direito Administrativo da FABEC/RJ. No Rio de Janeiro, atua também na preparação para concursos públicos. **Mestre e doutorando em Administração, Articulista, Professor e Pró-Reitor de Administração do Centro Universitário de Caratinga – UNEC.

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter