Faculdade de Direito da USP fica sem lei de calçadas

Apesar das multas elevadas que podem ser aplicadas a quem não adequar a sua calçada à legislação da cidade de São Paulo – R$ 322 por metro linear -, a padronização dos passeios e, com isso, o fim das irregularidades parecem distantes do dia a dia do paulistano. Principalmente quando a responsabilidade é da administração pública. Nem mesmo a calçada da Faculdade de Direito da USP, edifício tombado pelo patrimônio histórico do Estado de São Paulo, conseguiu manter-se ilesa.

Após realizar uma obra para a passagem de fibra ótica no local, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) deixou a calçada da tradicional faculdade repleta de buracos. “O acabamento foi muito mal feito, deixando a calçada em um estado deplorável”, relata o professor titular e diretor da Faculdade de Direito da USP, José Rogério Cruz e Tucci. “Além disso, a via oferece riscos aos transeuntes, uma vez que as pedras estão totalmente soltas.”

A Coordenação das Subprefeituras informou que a responsabilidade é da CET, que não respondeu ao jornal.

Tucci revela que, desde a sua posse, em fevereiro do ano passado, busca uma solução para o problema. “Já entrei em contato com o diretor de Operações da CET e com o diretor de Planejamento, que prometeram providenciar o conserto imediato, mas nada foi feito até hoje.”

Segundo o professor de Relações e Consumo da FGV-Direito Rio, Fabio L. Soares, neste caso, o poder público não só tem a obrigação de realizar a manutenção da calçada, como, em caso de queda e prejuízo por acidente, indenizar o cidadão. “Além disso, o descaso na manutenção e no conserto da via pode ser motivo de questionamento na Ouvidoria da Prefeitura e da CET, inclusive com ações de reparação de danos.”

Apesar de a Subprefeitura Pinheiros prometer à leitora Maria Tereza Murray o conserto da calçada da Rua Joaquim Floriano, na esquina com a Rua Dr. Renato Paes de Barros, no Itaim-Bibi, para dezembro de 2013, até hoje nada foi feito. “Reclamei a primeira vez em novembro de 2013!”
A Subprefeitura Pinheiros informa que fez os reparos nas bocas de lobo e a manutenção de áreas verdes no local.

“O local permanece do mesmo jeito, com o espaço esburacado e sem acabamento”, reclama.

De acordo com Soares, questões que envolvem calçadas públicas e particulares ainda são polêmicas, porém poucos sabem seus direitos ante a administração pública ou ao particular, dono da calçada. “Neste caso, por estar em um passeio público, a responsável é a Prefeitura”, explica. “A cidadã poderá recorrer à Ouvidoria do Município, que tem autonomia para alguns ajustes ou mover ação contra a Prefeitura, inclusive com base na Lei 10.294/99 conhecida como lei de Proteção e Defesa do Usuário de Serviços Públicos.

Fonte: http://www.diarioweb.com.br/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter