Ex-prefeito é condenado por fazer autopromoção em Borda da Mata

Um ex-prefeito de Borda da Mata, sul de Minas, foi condenado em Primeira e Segunda Instâncias por ter utilizado as cores de sua campanha, verde e laranja, para pintar jardins, portais e prédios públicos da cidade, tais como a prefeitura, o cemitério e escolas, visando promoção pessoal.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), B.C.F. foi prefeito de Borda da Mata de 2004 a 2008 e, no período, ocorreram vários “episódios de propaganda irregular” no município.

O ex-prefeito alegou em sua defesa que as despesas para a pintura foram devidamente empenhadas e pagas com dotação orçamentária própria, porque era necessária a manutenção dos espaços públicos. Alegou ainda que a denúncia do MP era litigância de má-fé motivada por inimizade.

O juiz da comarca de Borda da Mata Hélio Walter de Araújo Júnior entendeu que houve violação ao princípio da impessoalidade, pois ficou comprovada a intenção do ex-prefeito de se promover.

“Ao contrário do sustentado na defesa, é evidente a má-fé e o dolo, que reputo confessadas no depoimento pessoal. Foi livre, consciente e pessoal a conduta do réu ao escolher pintar a cidade com suas cores de campanha, como ele confessou expressamente”, analisou.

Com esses argumentos, o juiz determinou o ressarcimento integral dos gastos com a pintura, R$ 7 mil, corrigidos a partir de maio de 2011, quando foram pagas as despesas pelos cofres públicos; a suspensão dos direitos políticos de B. por cinco anos e o pagamento de multa civil no valor correspondente a 1,5 o valor do dano.

O ex-prefeito recorreu da decisão mas a desembargadora Heloísa Combat, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), negou provimento à apelação. Ela afirmou que a atitude do ex-prefeito se mostra incompatível com “qualquer conduta de boa-fé e honestidade; pelo contrário, está cabalmente demonstrado o desvirtuamento do projeto arquitetônico originário, com o leviano propósito de colorir a cidade com ‘as cores’ da sua gestão”.

A desembargadora confirmou a necessidade do ressarcimento integral do dano de R$ 7 mil e a multa civil de R$ 10.500. Quanto à suspensão dos direitos políticos, ela ressaltou que se aplica a casos extremos de afronta à moralidade pública e que no caso compreende “razoável e proporcional o período de cinco anos conforme estabelecido pelo juiz”.

Acompanhe a movimentação processual e confira o acórdão.

Fonte: TJMG

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter