Estética, humanização e fascismo

Se você deseja se tornar um colunista do site Estado de Direito, entre em contato através do e-mail contato@estadodedireito.com.br

Foto: pixabay

Foto: pixabay

 

1 A barbárie: não começa com a política e o direito! – Seria mais sábio que a política e o direito aprendessem algo com as Artes; – A história nos ensina que na multiplicidade de circunstâncias os eventos raramente têm apenas uma causa, ainda que seja a complexidade que nos embota o olhar;

– Tenho pensado muito que, possivelmente de forma sistemática, a “civilização” ocidental se de um lado incentiva a cultura, por outro a usa como instrumento de domesticação das mentes e dos sentidos, e as manifestações artísticas contemporâneas servem muito para nos “desviar” o olhar do que realmente interessa, do que efetivamente é importante, pois a Arte não é “isenta”, “neutra” nem tampouco “livre”, completamente “subjetiva”, ao contrário, ela sempre se interessa pelos seus espectadores e pela alienação das massas, de uma forma ou de outra, cujo campo próprio não está imune às ideologias e aos interesses dominantes de seu tempo;

– Se a Arte moderna é filha da complexidade – técnica, científica, mas igualmente da criação cognitiva em mais alto grau de abstração

– mais essa complexidade tende a velar a ideologização possível dos que detêm o poder [o capital!]; – Não gostaria de ser mal entendido: a Arte tem esse direito, ela deve ser iconoclasta e “filosofar às marteladas” (Nietzsche, 1888)[1];  mas estou convencido que, ao mesmo tempo, ela deve prescindir cada vez mais de “mecenas” e “intérpretes” para fazer seu papel crítico da realidade política caótica e da condição humana paradoxal, quer dizer, proporcionar ao espectador [às massas] o desvelamento dos poderes – pelo olhar deste!; 2

2 O peso: da consciência humana não é a consciência de si mesmo, mas o que esta provoca: o “medo”!; como sabemos, a finitude [a consciência da morte] é a mãe de todos os medos (Shopenhauer, 1818)[2]; – Daí que a condição humana dada por sua consciência é a irrecusável tendência a maximizar o desejo, o querer, a satisfação [prazer], o “ter sobre o ser” (Fromm, 1976)[3], porque sobre nós cai todo o peso do tempo limitado entre algum ponto após o nascer e o momento derradeiro – inexorável, tanto quanto inapreensível – do fim;

– Mesmo para os que acreditam que esse fim é relativo, que ele de fato não existe e que a imortalidade se dá em outros planos e de outras formas, ainda assim, creio eu, foi a diabólica consciência pelo menos desta limitação e seu mistério que levou às grandes religiões: a possibilidade de seus discursos de vida eterna só pode chegar ás massas pelo medo – não só a perda das coisas desta vida, mas a morte e o mistério pós-morte-vida, normalmente punitivo [dialogia com a salvação ou bem aventurança da alma], portanto as religiões, também a filosofia, de forma geral têm por mesmo fundamento a consciência da finitude humana e da continuidade da vida, “mais para continuar tendo do que para ser” – no caso da melhor filosofia “mais para ser do que continuar tendo”;

– Na contemporaneidade é indubitável que a par das tecnociências e farmacotecnologias, que prolongam a vida do corpo, a depressão e a histeria só tendem a aumentar porque apesar deste alongamento do tempo de vida a vida não está melhor; mas fundamentalmente, porque a bipolaridade entre esse tempo maior e a consciência que ele é afinal limitado leva à esquizofrenia do tipo temporal-existencial: quanto mais se prolonga a vida por meios artificiais mais o medo da perda [coisas, vida] e a angústia da morte se intensificam (as sociedades, inclusive as mais aparelhadas, já estão vivenciando essa realidade conforme indicam os dados sobre saúde mental, suicídio e violações à vida [própria e alheia])[4];

– “Só” por aqui pode-se entender melhor o que leva de forma consciente pessoas aparentemente “normais” e até “comuns” a comportamentos tão perniciosos, sem qualquer pudor e constrangimento [corrupção, prevaricação, falso testemunho, violação, crime] que nos fazem incrédulos de sua própria sanidade (Preciado, 2008)[5];

3 A condição humana: “política” (“zoon politikón” – Aristóteles) e “econômica” (“homo economicus” – Marx) é, fundamentalmente, orientada para retardar a morte; porém ela é tal que antes do fim está o envelhecimento, antes da morte o definhamento; – Acho que é este o entendimento maior de Dorian Gray: se a finitude pudesse ao menos ser imediata!, (bem-aventurados os que morrem antes; que o fim seja imediato!); – Mas também raramente aceitamos, enquanto vivos-conscientes dessa finitude irreversível, a morte – isto parece paradoxal: somos seres da “recusa” da doença e do sofrimento, não suportamos o fim, mas fundamentalmente nem o tempo intermediário antes dele [deterioração do corpo, definhamento mental]; não suportamos sequer a fatalidade (amor fati: Nietzsche, 1881-1882)[6] – não podemos, não há lugar nem tempo para isso, “Time is Money!”;

4 O Belo: na obra de Oscar Wilde (1891) relaciona-se com as forças portentosas [arquitetura] do Universo que condenaram os humanos a perderem a beleza, o vigo: enrugados, claudicantes, desmemoriados, sem forças, doentes, perdas parciais, lentamente, perdas totais, na melhor das hipóteses concertados através de próteses; a Força é tão medonha que todo esse definhamento antes do derradeiro é inelutável, e nos leva muito a desejar a brevidade de todos esses tormentos; – Diante dessa realidade, duas opções, pensa Dorian Gray: a morte fulminante [uma arma, um cálice de veneno, um duelo provocado], ou o encontro com o outro lado do medonho – o outro lado que se equipara em energia, recursos e determinação, capaz de manter a juventude sem definhamento e morte, é o demoníaco, uma força equivalente à Arquitetura do Universo;

Foto: pixabay

Foto: pixabay

– E afinal, bem vistas as coisas, tanto o Bem como o Mal nos cobram o mesmo quantum – simplesmente a vida!: Dorian Gray pensa assim: “Que diferença é realmente diferente? Diferença não é apenas uma questão de tempo? E se eu não quero certo tempo, ou o quiser de outra forma? No final dá no mesmo! Negocie o que negociar, seja quem for o comprador, tudo se reduz a alguns míseros anos! E o que é isso para a eternidade, se é que ela existe?! O que tenho para te oferecer, Oh Boy? O tempo! Antes que o tirem eu a ti ofereço!”; – Dorian Gray morreu naquele instante, não quando olha anos mais tarde, sem envelhecer ou adoecer, e após ter assassinado o pintor, o retrato que reflete sua verdadeira condição decrépita ao extremo; mas ainda ali, ele foi soberano quanto a suas escolhas!; – Talvez contra a tirania demoníaca apenas isso nos reste: negociar e pôr fim à negociação…;

5 O fascismo: como “projeto de vida eterna pela política” anda de mãos dadas com o ressurgimento do belo, da beleza, e, consequentemente, com a supressão de tudo que represente ou possa a vir a representar a decadência, a decrepitude, a doença, a indigência e a desarmonia [reforço da ordem pelo belo na obra de arte][7] – o projeto filosófico-político do fascismo reforça-se em um projeto estético primoroso (Peter Cohen, 1989)[8], Arte só vista antes no Ocidente na arte greco-romana; – O convencimento das massas desesperadas, angustiadas, envergonhadas, sem autoestima são terreno fértil para uma redenção: nestas circunstâncias a política é uma religião para elas, dá-lhes uma sobrevida, mesmo que a destruição seja evidente e iminente (Arendt, 1951)[9];

– É bem possível que no começo acreditem em algum poder constituído e nas instituições que vigem, que acreditem na preservação e funcionalidade das leis e dos protocolos morais, nas forças de mercado, na Justiça, no Estado; ou, pior, caiam no “culto da personalidade”, idolatrem este ou aquele governante e alguns que aparecem como justiceiros: alguns “heróis” surgem das brumas da obscuridade e das instituições superadas, e estes serão vistos, precisamente, como parte do projeto político-estético necessário, ainda que fascista e mentiroso – e então, mesmos estes serão (a)traídos pelos circuitos demoníacos da “restauração” e dos sistemas de destruição que são a fuga para todos os medos e desamparos – contudo, logo todos perceberão aturdidos que o demônio do outro lado do retrato já os possuiu – tarde demais!, agora só resta sobreviver sem olhar para trás!;

6 Afinal: queimar tudo antes do fracasso da soberba e da loucura, destruir tudo que manche o belo (como o sangue que escorre no retrato de Dorian Gray), tudo que seja velho, feio, mal formado, mal acabado, o que não guarda as “proporções áureas” – os miseráveis, os doentes, os gays, os de raças impuras, os derrotados; limpar, limpar para surgir a “vida” e derrotar a morte – a vida nessas condições (a)parece tão vergonhosa quanto a morte e o envelhecimento são indesejáveis: por isso é tão fácil passar da situação de fracasso e desesperança para a mesma lógica estética fascista da destruição e aniquilamento em massa;

– Os fascismos foram contemporâneos, essa é a cara da modernidade, é a aceitação da barbárie porque se acredita passageira e necessária para a construção da pureza e da beleza além, da mesma forma que se aceita a acumulação desmedida, o fetiche das coisas, o conluio com o poder e o Estado; – “Mefistófeles” sabe que a vida breve precisa deixar uma obra de arte monumental, os homens acreditam se perpetuar nas obras, melhor nas grandes obras, acreditam nisto quanto menos têm, menos a perder mais a ganhar, e assim as massas acreditam poder contornar a sua condição de sofrimento e morte; creem rumar para fora da miséria, da indigência da dor, creem fugir da brevidade da vida que envelhece e morre, e vão com relativa facilidade da santidade às câmaras de gás, do holocausto à vida eterna; – Procuram a permanência e a juventude na redenção do Apocalipse: descontrole, histeria, esquizofrenia;

 

[1] Friedrich Nietzsche, Crepúsculo dos Ídolos – Ou Como Filosofar Com o Martelo. 3. ed. In Coleção Os Pensadores, São Paulo: Abril Cultural, 1983.

[2] Arthur Schopenhauer, O Mundo Como Vontade e Representação. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

[3] Erich Fromm, Ter ou Ser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.

[4] “Estima-se que um milhão de pessoas morram desta forma anualmente (suicídio), uma a cada 40 segundos, o que equivale a 1,4% dos óbitos totais” (172 países, segundo a OMS). Veja-se em: <www.prevencaosuicidio.blog.br/dados>.

[5] “Nessas condições, o dinheiro se torna uma substância psicotrópica significante, abstrata.” Paul B. Preciado, Testo yonqui. Madri: Espasa, 2008, p. 37.

[6] Friedrich Nietzsche, A Gaia Ciência. Livro IV, § 276: “Amor fati: seja esse de agora em diante o meu amor”.

[7] Nosso cérebro (uma “pequena” traição?) comporta-se de forma seletiva e voltado, então, para a restruturação, pondo ordem aos caos seletivo que ele mesmo provocou. Veja-se Ernst Hans Gombrich: “O Sentido da Ordem – Um estudo Sobre a Psicologia da Arte Decorativa”. São Paulo: Editora Bookman, 2012.

[8] Arquitetura da Destruição, Documentário, Dir. Peter Cohen, 1989.

[9] “Em épocas de crescente miséria e desamparo individual, é tão difícil resistir à piedade, quando ela se transforma em paixão, como deixar de condenar a sua própria universalidade, que parece matar a dignidade humana, mais definitivamente do que a própria miséria”. Hannah Arendt, O Sistema Totalitário. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1978, p. 420.

 

 

 

 Sacadura-200x200José Manuel de Sacadura Rocha é Articulista do Estado de Direito – Professor Universitário nos Cursos de Ciências Jurídicas na capital de São Paulo. É mestre e Pós-Graduado em Criminologia (ESMP). Especialista em Sistemas de Informação (Mauá de Tecnologia) e Marketing (ESPM). Possui bacharelado em Ciências Sociais pela PUC/SP.
Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter