Comandante de balsa que afundou na Coreia pega 36 anos de prisão

Naufrágio causou a morte de 304 pessoas; 9 corpos não foram encontrados

A justiça da Coreia do Sul anunciou nesta terça-feira (11) a condenação do comandante da balsa Sewol, que naufragou em abril e provocou a morte de 304 pessoas. O comandante da embarcação, Lee Soon-jeok pegou 36 anos de prisão ao ser considerado culpado por negligência, mas foi absolvido da acusação de homicídio, pela qual os promotores buscavam a pena de morte.O tribunal considerou que a promotoria não conseguiu comprovar a acusação mais grave apresentada contra o capitão. A promotoria já anunciou que irá recorrer da decisão.

Os juízes o consideraram culpado de abandonar os deveres como capitão, ao deixar a balsa quando centenas de passageiros permaneciam a bordo.A sentença encerra cinco meses de processo contra Joon-Seok e outros 14 tripulantes.A corte condenou o engenheiro-chefe da embarcação por homicídio, por não ter ajudado dois outros tripulantes feridos, o que fez dele o único a ser considerado culpado entre os quatro que enfrentavam esse tipo de acusação, sendo sentenciado a 30 anos de prisão.Os outros 13 tripulantes sobreviventes da barca Sewol foram considerados culpados de várias acusações, incluindo negligência, e receberam penas que variaram entre cinco e 20 anos de prisão.

As famílias das vítimas emitiram um comunicado após o veredicto, no qual se dizem devastadas pela decisão do tribunal e que a Justiça falhou.”Nossa esperança foi destruída miseravelmente”, disse Park Jong-dae, pai de uma das crianças mortas, em um comunicado lido em frente ao tribunal, em que pede aos promotores que apelem das decisões e busquem uma punição que corresponda aos crimes da tripulação.Um promotor envolvido no caso disse que sua equipe iria apelar da decisão em relação a todos os 15 membros da tripulação, chamando a decisão de “decepcionante”, particularmente a absolvição de três dos mais graduados, incluindo a do capitão das acusação de homicídio.

Buscas
O governo sul-coreano anunciou também nesta terça que encerrou as operações de busca pelos nove corpos que continuam desaparecidos desde o naufrágio do Sewol. A decisão aconteceu após uma reunião do gabinete de governo presidida pelo primeiro-ministro sul-coreano, Chung Hong-won.Os trabalhos de resgate, nos quais participaram milhares de mergulhadores, começaram imediatamente depois do naufrágio da balsa no dia 16 de abril, que tinha 476 pessoas a bordo, a maioria estudantes de ensino médio.

As equipes de resgate só conseguiram salvar 172 pessoas, todas elas nas primeiras horas depois do naufrágio, enquanto a maioria dos corpos foram recuperados nas semanas seguintes ao acidente.O resgate também causou a morte de dois dos mergulhadores que participavam das operações.No final de outubro, os familiares dos nove desaparecidos se posicionaram contra uma operação para emergir a balsa do fundo do mar (seis votos contra cinco), aparentemente por considerarem que os corpos poderiam ser perdidos ou deteriorados nesse processo.

Segundo a versão dos promotores, o capitão e os 14 tripulantes demoraram a dar ordem para os passageiros abandonarem a balsa, não prestaram o devido socorro e deixaram a embarcação enquanto ela afundava, agindo com negligência em relação à segurança dos passageiros, o que é uma violação da lei relativa à segurança marítima.

Fonte: http://circuitomt.com.br/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter