Vara Maria da Penha realiza palestra para detentas em Manaus

A equipe multidisciplinar do 2º Juizado Especializado no Combate a Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, mais conhecida como Vara Maria da Penha, ministrou uma palestra às detentas no Centro de Detenção Provisória Feminino, no dia 5 de agosto.

O presídio fica localizado no KM-8 da rodovia BR-174. A presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargadora Graça Figueiredo, apoia a iniciativa, que faz parte da campanha Maria Vai a Comunidade e integra as ações do Mutirão Maria da Penha, que está sendo realizado nesta semana no 2º Juizado, no bairro Educandos, zona sul de Manaus. A juíza titular é a magistrada Luciana Nasser.

“Realizamos cinco projetos no 2º Juizado Maria da Penha. Este que fizemos no CDP faz parte do Maria Vai à Comunidade, que busca difundir a lei para a própria comunidade. Assim, fazemos visitas, além do sistema prisional, às escolas, unidades básicas de saúde, entre outros. EM setembro, vamos ao Corpo de Bombeiros e à Secretaria de Estado de Cultura”, anunciou Cyntia Ribeiro, coordenadora da equipe multidisciplinar.

Outros projetos desenvolvidos pelo 2º Juizado Maria da Penha são o Maria Acolhe, criado pela própria juíza Luciana Nasser, que convoca vítimas e autores, no momento da denúncia nas delegacias, para reuniões periódicas com apresentação de palestras educativas; o Vítima Nunca Mais, que ocorre nos meses do Mutirão Maria da Penha e é destinado apenas para as mulheres; o Autor, Mude a Sua História, que fala aos homens requeridos nos processos; e o Aproximando a Rede, no qual a equipe multidisciplinar do Juizado faz o contato institucional com os outros entes envolvidos para fortalecer a rede de proteção às vítimas.

Para a diretora do CDP Feminino, Maria Edna Pereira Marinho, a iniciativa de levar palestras educativas às detentas é de suma importância para levar conhecimento e saber que existem locais para prestar apoio. “Aos fins de semana, vêm mais de 100 mulheres e pouco mais de 30 homens. Elas são abandonadas por esses maridos. A maioria que vem é de mães. Elas precisam ter mais acesso às essas informações”, analisou Edna.

Mutirão Maria da Penha
Durante esta semana, na realização do Mutirão Maria da Penha, devem ser programadas de 20 a 23 audiências por dia, no horário de 8h30 às 17h. De acordo com a juíza Luciana Nasser, o mutirão tem por objetivo lançar as ações socioeducativas desenvolvidas pelo 2º Juizado Especializado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

“Muito me honra integrar essas ações que preocupam todos os tribunais do Brasil. Com nove anos, a Lei Maria da Penha já foi bastante divulgada e é conhecida por toda a sociedade. Hoje a mulher tem consciência de que não pode viver em violência, no entanto, ela continua sendo violentada silenciosamente dentro de casa. Por isso precisamos lutar pela celeridade desses processos”, ressaltou a magistrada.

Fonte: TJAM

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter