STJ determina que usina Santo Antônio deposite R$ 594 mi

Sem recursos em caixa, a empresa pediu um prazo maior para o pagamento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a usina de Santo Antônio não tem direito a entregar com atraso a energia que vendeu às distribuidoras, que atendem o consumidor residencial. Por 6 votos a 4, o plenário da Corte determinou que a Santo Antônio Energia deposite R$ 594 milhões para quitar essa dívida. Sem recursos em caixa, a empresa pediu um prazo maior para o pagamento. Na sexta-feira, os sócios do empreendimento decidem o valor do novo aporte à concessionária, que precisa de R$ 860 milhões para honrar todas as despesas que vencem na próxima semana.

A usina pedia à Justiça o reconhecimento de que greves atrasaram o cronograma de obras em 63 dias. Por isso, alegava que tinha direito a entregar a energia que vendeu às distribuidoras apenas a partir de março de 2013. O prazo contratual previa o início em dezembro de 2012.

As greves, porém, não atrasaram a entrada em operação do empreendimento. Pelo contrário. A usina pediu autorização para adiantar as obras e conseguiu começar a operar em março de 2012, nove meses antes do estabelecido. O excedente de energia que produziu nesse período foi vendido ao mercado livre. Em dezembro do mesmo ano, a produção de energia já era suficiente para honrar o compromisso com as distribuidoras. Ainda assim, a empresa queria postergar a validade dos contratos.

Cláusula

O presidente da Santo Antônio Energia, Eduardo de Melo Pinto, afirmou que a antecipação da obra não tirava o direito da usina de postergar a entrega da energia. “Há uma cláusula no contrato que nos exime da obrigação de entregar energia em caso de força maior, como greves. O fato de termos gerado o suficiente para entregar às distribuidoras dentro do prazo não tira o nosso direito.”

Se vencesse a disputa judicial, essa conta de R$ 594 milhões acabaria nas mãos dos consumidores residenciais. As distribuidoras ficariam com a dívida, mas teriam direito a repassá-la às tarifas. O executivo insistiu que esse custo é do sistema e deve ser dividido. “É justo que um agente só arque com esse ônus?”, questionou. O caso ainda deve ser julgado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em breve. A Santo Antônio Energia informou que a decisão do STJ está sob análise.

Outro processo contestado pela concessionária envolve penalidades de R$ 266 milhões. As multas foram impostas porque a usina não conseguiu cumprir a obrigação de manter suas turbinas disponíveis em 99,5% do tempo. O ex-presidente do STJ, Felix Fischer, já derrubou a liminar que livrava a empresa do pagamento, mas o caso ainda terá que passar pelo plenário da Corte. A previsão é que le seja julgado no dia 17.

Adiamento

Mesmo sem que a disputa desse caso tenha sido encerrada na instância judicial, a Santo Antônio Energia terá que depositar R$ 860 milhões até segunda-feira na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Até agora, R$ 120 milhões foram pagos. A empresa pediu um adiamento desse prazo por até 40 dias, mas a Aneel ainda não se pronunciou sobre a solicitação.

Enquanto isso, a Santo Antônio Energia corre contra o tempo para obter mais recursos. Uma Assembleia Geral Extraordinária será realizada sábado para convencer os sócios a aportar mais dinheiro na concessionária. O volume necessário para este mês é de R$ 860 milhões. Mas Eduardo de Melo Pinto informou que, considerando um horizonte até 2021, o valor pode chegar a R$ 4,2 bilhões. Os sócios são Furnas (39%), fundo Caixa FIP Amazônia Energia (20%), Odebrecht Energia (18,6%) e a SAAG Investimentos, cujo principal acionista é a Andrade Gutierrez (12,4%), e a Cemig (10%).

Punição

Se não pagar suas dívidas, a Santo Antônio Energia ficará inadimplente e será desligada do mercado. Na prática, deixará de receber receita pela energia vendida e terá seus financiamentos suspensos. “No curso normal, entraremos em colapso num curto espaço de tempo”, afirmou o executivo.

Também sem receber pagamentos da concessionária, o consórcio construtor da usina de Santo Antônio demitiu 150 pessoas hoje. Já são 350 operários dispensados desde o início da semana.

Fonte: www.em.com.br

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter