PM do DF chama modelos plus size de ‘leitoas’; corregedoria investiga

Militar disse que mulheres gordas são ‘quarteto bacon’ e ‘sacos de toucinho’.
Miss Plus Size disse que vai processar policial por injúria e difamação.

A Corregedoria da Polícia Militar do Distrito Federal abriu sindicância para apurar denúncia de que um policial teria usado sua página pessoal nas redes sociais para ofender as modelos plus-size que tiraram fotos de lingerie em frente ao Congresso Nacional na semana passada. No post, ele chama as mulheres de “saco de toucinho”, “leitoas” e “criaturas bizarras”.

A publicação do PM foi apagada pouco depois, mas centenas de usuários copiaram a imagem e divulgaram mensagens de repúdio ao policial. O G1 ligou para o 28º Batalhão, no Riacho Fundo, onde o policial é lotado, e foi informado de que o militar está de licença médica com uma doença muscular degenerativa. A reportagem deixou contato telefônico com o responsável e pediu que o PM entrasse em contato, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Fotografada em frente ao Congresso, a Miss Plus Size DF, Janaína Graciele, disse que vai entrar com uma ação na Justiça e na Corregedoria da PM para que o militar seja punido pelas ofensas que fez. “Achei um absurdo. A gente já esperava críticas, mas as ofensas dele não foram apenas críticas. As palavras que ele usou foram extremamente cruéis, foram palavras de baixo calão. Ofendeu mesmo, e não vamos deixar quieto”, disse.

A advogada Vanusa Lopes não conhecia as modelos quando, indignada, compartilhou a publicação do policial. Ela disse que foi procurada pelas misses e que vai representá-las na Justiça. “Vamos ingressar com uma ação penal por crime de injúria e difamação e, certamente, pedido de indenização para as próprias modelos”, diz. “Qualquer mulher que se sinta gorda e que tenha se sentido ultrajada pelas agressões pode entrar na Justiça contra ele, porque ele já começa o texto dizendo que a pior obra de engenharia de Deus foi a mulher gorda.”

Em nota, a Polícia Militar afirmou que é contra qualquer manifestação preconceituosa e que apoia diversas iniciativas de combate ao preconceito. “A Corregedoria da PMDF apura se o perfil é realmente de um policial militar. Caso seja provado que a autoria é de um integrante da corporação, o fato será apurado de acordo com a lei”, diz trecho (veja íntegra da nota no fim do texto).

Também “plus-size”, a empresária Rayanni da Costa, de 25 anos, conta que tem amigos em comum com o policial, e que, no passado, a irmã dele já quis apresentar os dois. “Cheguei a conhecer os pais dele e convivi bastante com a irmã dele. Inclusive, ela falava bastante dele e dizia que ele iria ficar maluco se me conhecesse, porque ele é louco por gordinhas. Ela dizia: ‘Ai, amiga, se ele te ver não vai te deixar em paz, ele gosta de gordinhas.”

Rayanni diz que também pretende entrar com uma ação na Justiça por danos morais contra o policial. “Me senti extremamente ofendida. É inaceitável. Não quero dinheiro, indenização, simplesmente quero que alguém pare ele, porque ele se acha no direito de falar o que quiser”, afirma.

“Não dá para acreditar que um ser humano seja capaz de falar isso, ainda mais sendo policial. Imagina se eu passar por algum tipo de transtorno, tiver a casa assaltada e chamar a polícia? Tenho a sensação que se for ele a atender a ocorrência, ele vai me deixar morrer.”

Casada e mãe de uma menina, a empresária diz que apoia o protesto das misses. “Com certeza me senti empoderada. Apoiei, achei justo. Sou gorda e não tenho nenhum complexo com isso. Não tenho aquele ideia de que o biotipo de mulher é ser magra, ser bonita. Me acho bonita como sou, tenho a autoestima bastante elevada.“

Impacto positivo
Apesar das críticas, a Miss Plus Size DF diz que a repercussão do ensaio foi muito mais positiva do que negativa. “Não esperava tanto. A reação das pessoas tem sido muito positiva. Recebo mensagens a todo momento de mulheres que não estudavam mais, não trabalhavam, não saíam de casa, e que de repente tiveram o incentivo de voltar à vida”, afirma. “Fico feliz que a gente conseguiu passar que tem que ser feliz, independente do IMC [Índice de Massa Corpórea] de cada um.”

O ato das misses foi realizado em protesto contra a gordofobia, depois que duas delas ouviram do recepcionista de um hotel da capital que não caberiam juntas em uma cama de casal.

“Nota da Polícia Militar do DF

A Polícia Militar do Distrito Federal reitera que é contra qualquer manifestação preconceituosa. A instituição apoia diversas iniciativas de combate ao preconceito.
A Corregedoria da PMDF apura se o perfil é realmente de um policial militar.
Caso seja provado que a autoria é de um integrante da Corporação, o fato será apurado de acordo com a lei.
A Polícia Militar do Distrito Federal não tolera nenhuma manifestação que possa denegrir a imagem de quem quer que seja.”

Fonte: http://g1.globo.com/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter