Justiça manda prefeitura exonerar mais um funcionário por nepotismo

Assessor de gabinete é sobrinho de secretária municipal, em Guarapuava.
Na segunda-feira (27), outros seis foram exonerados pelo mesmo motivo.

A 3ª Vara da Fazenda Pública determinou a exoneração de mais um funcionário da Prefeitura de Guarapuava, na região central do Paraná, por nepotismo. Na tarde desta quinta-feira (30), a administração pública cumpriu a determinação e demitiu o assessor especial de gabinete, Leonardo Melhen Rauen. Ele é sobrinho da secretária de Planejamento, Raquel Virmon Dalla Vechia, e foi nomeado em 2013. Outros seis funcionários já haviam sido exonerados na segunda-feira (27) pelo mesmo motivo, em outra ação.

No caso do assessor de gabinete houve nepotismo cruzado, segundo informou a promotora de Justiça do Ministério Público do Paraná (MP-PR) Leandra Flores. “Uma mesma nomeação caracterizou, ao mesmo tempo, nepotismo cruzado e direto entre os poderes Executivo e Legislativo de Guarapuava”, esclarece.

Outras exonerações
Uma investigação do Ministério Público da Comarca de Guarapuava, apontou que secretários e diretores usaram a influência do cargo para nomear parentes para funções dentro da prefeitura. Entre os réus, está o prefeito Cesar Augusto Carollo Silvestri Filho. A Justiça determinou o bloqueio de bens do prefeito no valor de R$ 1 milhão, e também, aplicação de multas a todos os envolvidos, que somadas passam de R$ 3 milhões.

Foram exonerados, na segunda-feira, o diretor de Departamento Rodoviário na Secretária Municipal de Viação, Obras e Serviços Urbanos, Odilson José Dominico, o diretor de departamento da Secretaria Municipal de Finanças, Amós Emanuel de Andrade Campos, o assessor de assuntos comunitários na Secretaria Executiva Municipal, Guilherme Jaskulski Ortiz, a chefe do Departamento de Acolhimento Familiar e Ações em Meio Aberto da Fundação PROTEGER, Tatyana da Costa Mezzadri, e a procuradora-geral da Fundação PROTEGER, Thanmara Espíndola Amaral. Ainda não foram nomeados novos servidores para os cargos.

A prefeitura recorreu mediante agravo de instrumento, recurso utilizado quando uma decisão pode causar grave lesão a uma das partes. A concessão de efeito suspensivo, que cessaria os efeitos da decisão, foi negada pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). Agora, a administração pública aguarda o julgamento em definitivo do recurso.

“A prefeitura vai demonstrar que houve um equívoco de interpretação por parte do Ministério Público e vai comprovar que todas as pessoas têm capacidade efetiva para trabalhar”, alega o procurador do município, Fábio Decker.

Fonte: http://g1.globo.com/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter