Justiça determina cirurgia em mulher vítima de violência obstétrica

Corte na região genital da mulher foi mal realizado em agosto de 2012.
Defensoria Pública também pediu indenizações por danos morais.

A Defensoria Pública de São Paulo obteve uma decisão liminar que obriga o município deRegistro, que fica na região do Vale do Ribeira, e o Governo do Estado de São Paulo, a realizarem ou custearem a cirurgia de reconstrução vaginal de uma mulher que, há dois anos, sofre desconfortos e constrangimentos em razão de um corte mal realizado em sua região genital realizado durante um parto.

De acordo com a Defensoria Pública, em agosto de 2012, a mulher entrou em trabalho de parto no Hospital São João/Apamir. O médico responsável tentou fazer com que a criança nascesse de parto normal mas, como não obteve sucesso, optou por realizar o corte na região genital da mulher, procedimento chamado de episiotomia, por entender que a criança já estava “encaixada” e que não havia mais tempo para fazer uma cesariana.

Alguns dias após o parto, a sutura feita para recompor a região genital da mulher se rompeu. Ela voltou ao hospital e foi detectada uma avançada infecção no local e recomendada a realização de uma cirurgia para correção do problema. Depois de dois anos, a mulher ainda não conseguiu realizar a cirurgia. Ela passou por vários atendimentos paliativos, diversas consultas e fez exames. Como depende do Sistema Único de Saúde (SUS), ainda não teve acesso ao procedimento.

Além do processo inflamatório grave, a episiotomia mal realizada ocasionou evacuação involuntária, o que acabou por restringir a vida social dela, gerando impossibilidade de trabalhar, já que não pode fazer esforço físico, baixa auto-estima, comprometimento de sua vida amorosa e sexual, impossibilidade de pegar sua filha no colo, gastos para tratar da lesão, entre outros.

A Defensoria Pública pediu imediata realização da cirurgia na ação e indenizações por danos morais no valor de 200 salários mínimos.

Violência obstétrica
A violência obstétrica caracteriza-se pela apropriação do corpo e processos reprodutivos das mulheres pelos profissionais da saúde, por meio do tratamento desumanizado, abuso da medicalização e patologização dos processos naturais, causando a perda da autonomia e a capacidade de decidir livremente sobre seus corpos e sexualidade.

Fonte: http://g1.globo.com/

Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter