As ameaças aos indígenas, aos quilombolas e à Constituição

Coluna A Advocacia Popular e as Lutas Sociais

Se você deseja se tornar um colunista do site Estado de Direito, entre em contato através do e-mail contato@estadodedireito.com.br
Foto: Thiago Gomes/Agência Pará

Foto: Thiago Gomes/Agência Pará

 

[…] o que caracteriza a propaganda totalitária melhor do que as ameaças diretas e os crimes contra indivíduos é o uso de instituições indiretas, veladas e ameaçadoras contra todos os que não derem ouvidos aos seus ensinamentos[…][1]

 

As instituições

As instituições possuem um papel, uma missão descrita na Constituição e/ou na lei. Mas é fato histórico e atual que, muitas vezes, o público é confundido com o privado. Não só no Brasil, mas em todo o mundo, o desafio do controle e da participação social. Instituições que mais se assemelham a corporações, apesar de múnus público, agentes que suas ações são voltadas a interesses de certos segmentos, em detrimento de coletividades ou dos direitos humanos, muitos exemplos de desvirtuamento podem ser dados.

Não é novidade, há muito se discute isto. Sérgio Buarque de Holanda, em 1936 já asseverava:

“As Constituições feitas para não serem cumpridas, as leis existentes para serem violadas, tudo em proveito de indivíduos e oligarquias, são fenômeno corrente em toda a história da América do Sul”.[2]

Perceber tal conduta não significa uma defesa positivista oitocentista e cega da lei e sim, identificar que esta repetidamente não é cumprida para a efetivação de direitos humanos fundamentais. Já o contrário, para violá-los, em nossa tradição Latino-americana é muito comum, basta ver os atos institucionais da Ditadura Militar.

Povos tradicionais e originários

Falando de povos tradicionais e originários é recorrente e presente esta realidade. Um bom exemplo histórico são os decretos das Assembleias Legislativas de Províncias do Nordeste, após a Lei de Terras, decretando não mais existir indígenas com intuito de grilarem das terras dos mesmos:

“Ora, a Lei de Terra é criada em 1850. Logo, em 1863, José Bento da Cunha Figueiredo Júnior, Presidente da Província do Ceará, no relatório que apresentou à Assembleia Legislativa Provincial, em 9 de outubro, dá por extinta a população indígena do Ceará, na sua visão anti-indígena. Não se lembrava, no entanto, de que um pouco antes, em 1846, havia no Ceará Índios até “selvagens”[3]

Em relação aos quilombolas nunca foi diferente. O Estado existia contra eles de forma franca e direta, o que hoje se faz de forma mais sofisticada, bastando ver os inúmeros conflitos atuais, como o do Rio dos Macacos na Bahia:

“Em 1832, entra em vigor o Código do Processo Criminal do Império, que extingue juízes ordinários […] São criados para as Comarcas os Juízes de Direito, e para os Termos, Juízes Municipais. Os Juízes possuíam atribuições e deveres concernentes à destruição dos quilombos.”[4]

Infelizmente, assim foi consolidado o Estado brasileiro, sobre a violação de direitos. Foi pensado, estruturado e fortalecido. Denuncia-se hodiernamente que esta prática não tem mudado: “A subdelegacia de Pinheiro em 1850, após reiterados pedidos, solicita em ofício um forte destacamento para combater índios e quilombolas.”[5]

Foto: Thiago Gomes/Agência Pará

Foto: Thiago Gomes/Agência Pará

Atual investida

Todavia, o que se quer aqui destacar é a atual investida contra os indígenas e quilombolas. A lista é ampla e variada e vem de várias frentes institucionais. Vai do Poder Judiciário que quer impor o Marco Temporal da Constituição de 1988 para limitar o direito aos territórios destas populações; passa pelo Legislativo que implanta a CPI da FUNAI e do INCRA para impedir e criminalizar a efetivação do mesmo direito acima referido e que também propõe a PEC 215/2000, que passaria a aprovação da demarcação das terras indígenas ao Congresso Nacional, onde a bancada ruralista inviabilizaria tal expediente; e chega no Executivo, por exemplo, por meio do Presidente da FUNAI, que quer “estimular” a retirada da autonomia das populações indígenas em relação ao seu modo de vida:

“Em entrevista à BBC Brasil, ele diz que buscará recursos em outros setores do governo para financiar atividades econômicas dentro de terras indígenas, como a plantação de grãos, a criação de peixes e a extração de castanhas.”[6]

São diversas as declarações na sociedade e por agentes públicos que visam legitimar a violação dos direitos destas populações. No início do mês, o Deputado Jair Bolsonaro fez comentário retirando condição humana dos quilombolas, comparando-os a gado a animais. A retirada da natureza ou condição humana é uma estratégia secular para legitimar a violação de direitos. Isto foi feito historicamente com indígenas, com africanos, para justificar a escravidão:

“O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador eles servem mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gasto com eles.”[7]

A justificativa em desrespeitar o direito à terra e ao modo de vida destas populações é muitas vezes feita na defesa de interesses econômicos outros, nesses territórios. Tal postura é inadmissível por nossa Constituição Federal, que determina que a ordem econômica assegure uma vida digna, conforme os ditames da justiça social e ainda estabelece que deve observar os princípios da função social da propriedade, da defesa do meio ambiente e da redução das desigualdades regionais e sociais (art. 170). Mas não é isso o que pensa o deputado citado, como muito dos parlamentares brasileiros, divergindo do que está posto na Constituição:

“Onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que mudar isso daí”.[8]

Procurar se apropriar dos bens destas comunidades não é algo novo no Brasil. Inclusive, por isso, por muito tempo, a legislação não permitia aos indígenas a autonomia sobre seus bens:

“Até à passagem dos selvícolas para centros agrícolas ou sua incorporação à sociedade civilizada, serão os Inspectores, cada um na sua circunscrição, encarregados da gestão de bens daqueles cumprindo-lhes prestar contas anualmente.”[9]

É próprio das Casas Legislativas o debate entre os diferentes, a representação da pluralidade na sociedade. Contudo, isto não pode extrapolar os limites postos na Constituição Federal e nem ser instrumentalizado para violar Direitos Humanos. Isto desconfigura as funções dos poderes e instituições e viola o Estado Democrático de Direito.

Quando a Constituição é desrespeitada ou mesmo é estimulado o seu desrespeito por quem deveria defendê-la, ela não se efetiva. Em nosso caso específico, não efetivá-la, significa não efetivar direitos humanos fundamentais e nem a Democracia. Alguns mais cético poderão argumentar que a sociedade de fato é que deve determinar, dentro de suas correlações de forças, como se darão as coisas, o que significará a instauração, agora formalmente, de uma ordem opressora para a maioria da população em nosso país:

“A Constituição jurídica logra conferir forma e modificação à realidade. Ela logra despertar “a força que reside na natureza das coisas”, tornando-a ativa. Ela própria converte-se em força ativa que influi e determina a realidade política e social.  Essa força impõe-se de forma tanto mais  efetiva quanto mais ampla for a convicção sobre a inviolabilidade da Constituição, quanto mais forte mostrar-se essa convicção entre os principais responsáveis pela vida constitucional.”[10]

Não se nega que há violação dos territórios indígenas e quilombolas. Por isto a importância do ordenamento jurídico assegurar este direito, para termos fundamento para a mudança desta injusta realidade. Sempre haverá forças conservadoras, ou melhor dizendo, do atraso, querendo manter o país onde poucos ganham em cima da exploração de muitos. Mas isto é o que ordem jurídica de 1988 quis mudar, estabelecendo direitos sociais. Por estarem postos na Constituição não estão dados. Estes quase 30 anos de sua promulgação mostram bem este desafio.

A atual conjuntura além de demonstrar, claramente, os limites do ordenamento jurídico, demonstra a necessidade da sociedade novamente se mobilizar em prol de direitos. Os territórios e modos de vida de indígenas e quilombolas estão ameaçados, juntamente com os direitos dos (as) trabalhadores (as) (reforma trabalhista e fim da Justiça do Trabalho) e a previdência social. Se estas iniciativas lograrem êxito, cada vez mais ficará difícil uma reação pautada no bem comum.

Referências

[1] ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, p. 477
[2] HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p.320
[3] CORDEIRO, José. Os Índios no Siará, massacre e resistência. Fortaleza: Hoje-Assessoria em Educação, 1989, p. 123
[4] Projeto Vida de Negro. Terras de Preto no Maranhão.: quebrando o mito do isolamento. Vol III. São Luis: SMDH/CCN-MA/PVN: 2002, p. 116.
[5] Projeto Vida de Negro. Terras de Preto no Maranhão.: quebrando o mito do isolamento. Vol III. São Luis: SMDH/CCN-MA/PVN: 2002, p .136
[6] Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-39510285. Acesso em: 18 de abr. 2017
[7] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YuUSF286Gkk. Em 19 de abr. 2017
[8] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YuUSF286Gkk
[9] SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés [org}. Textos clássicos sobre o direito e os povos indígenas. Curitiba: Juruá, 1992, p.123
[10] HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1991, p.24

 

Rodrigo de MedeirosRodrigo de Medeiros Silva é Articulista do Estado de Direito – formado em Direito pela Universidade de Fortaleza, especialista em Direito Civil e Processual civil, pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural (Porto Alegre-RS) e mestrando em Direito, pela Uniritter. É membro da Rede Nacional dos Advogados e Advogadas Populares-RENAP, Fórum Justiça-FJ e Articulação Justiça e Direitos Humanos-JUSDH.
Picture of Ondaweb Criação de sites

Ondaweb Criação de sites

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

Cadastra-se para
receber nossa newsletter