Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e a Sociedade de Grande Porte

puzzle_collaboratif
Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Podem ser classificados como ME ou EPP o empresário individual, a Eireli, a sociedade empresária e a sociedade simples, ou seja, qualquer sujeito que pratique atividade econômica poderá ser abrangido por esta legislação, desde que obedeça a receita bruta anual, esteja inscrito no órgão competente e não se encontrem nas proibições da LC 123/06.

O Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei Complementar nº 123/2006) conceitua as Microempresas, as Empresas de Pequeno Porte e o Microempreendedor, da seguinte forma:

Art. 3 º Para os efeitos desta Lei Complementar, consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresário a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, conforme o caso, desde que:

I – no caso da microempresa, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais); e

II – no caso da empresa de pequeno porte, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais).

§ 1º Considera-se receita bruta, para fins do disposto no caput deste artigo, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.

§ 2º No caso de início de atividade no próprio ano-calendário, o limite a que se refere o caput deste artigo será proporcional ao número de meses em que a microempresa ou a empresa de pequeno porte houver exercido atividade, inclusive as frações de meses.

§ 3º O enquadramento do empresário ou da sociedade simples ou empresária como microempresa ou empresa de pequeno porte bem como o seu desenquadramento não implicarão alteração, denúncia ou qualquer restrição em relação a contratos por elas anteriormente firmados.

Se o empresário individual obtiver receita bruta anual de até R$60.000,00 (sessenta mil reais), poderá se enquadrar nos benefícios da LC 123/2006 que concede tratamento simplificado. Estará dispensado de escrituração contábil, mas só poderá ter um único empregado e um único estabelecimento, não podendo ser registrado em mais de uma Junta Comercial. Será denominado de Microemprendedor Individual (MEI ).

Aquino (2008:191) afirma que:

“O conceito destes tipos de empresários é tomando em conta receita bruta anual conforme artigo 3º em seus parágrafos 1º, 2º e 3º da referida lei”.

O Enunciado nº 200 da III Jornada de Direito Civil dispõe “é possível a qualquer empresário individual, em situação regular, solicitar seu enquadramento como microempresário ou empresário de pequeno porte, observadas as exigências e restrições legais”.

Créditos: canalcienciascriminais.com.br

Créditos: canalcienciascriminais.com.br

Simples Nacional

A legislação proíbe que alguns sujeitos possam optar pelo simples nacional. Assim, estão proibidos de optarem pelo super simples:

(a) sociedade cujo capital participe outra pessoa jurídica;

(b) sociedade que seja filial, sucursal, agência ou representação, no país, de pessoa jurídica estrangeira;

(c) sociedade cujo sócio ou titular seja administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$3.600.000,00;

(d) sociedade constituída na forma de sociedade anônima;

(e) sociedade constituída na forma de cooperativa, exceto a sociedade cooperativa de consumo;

(f) sociedade que exerça atividades de banco comercial, de investimento e de desenvolvimento de caixa econômica, de sociedade de crédito, financiamento e investimento ou crédito imobiliário, de corretora ou de distribuidora de títulos, valores mobiliárias e câmbio de empresa de arrendamento mercantil, de seguros privados e de capitalização ou de previdência complementar;

(g) sociedade resultante ou remanescente de cisão (ou qualquer outra forma de desmembramento) de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos cinco anos-calendário anteriores.

(h) sociedade constituída sob a forma de sociedade anônima.

Em relação ao titular ou sócio que participe com mais de 10% de outro empresário ou sociedade não beneficiada pelo Super Simples ou de pessoa jurídica que participe de outra pessoa jurídica, tal impedimento não se aplica a participação no de cooperativas de crédito, bem como em centrais de compras, bolsas de subcontratação, no consórcio referido no art. 50 da LC 123/2006 e na sociedade de propósito específico prevista no art. 56 da LC 123/2006, e em associações assemelhadas, sociedades de interesse econômico, sociedades de garantia solidária e outros tipos de sociedade, que tenham como objetivo social a defesa exclusiva dos interesses econômicos das microempresas e empresas de pequeno porte.

Créditos: statistics-and-analysis-of-finance.com

Créditos: statistics-and-analysis-of-finance.com

Sociedade de Grande Porte

A Sociedade de Grande Porte está prevista na Lei nº 11.638/2007, que altera e revoga dispositivos da LSA, e da Lei nº 6.385/1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras, determina que:

Art. 3º Aplicam-se às sociedades de grande porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações, as disposições da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, sobre escrituração e elaboração de demonstrações financeiras e a obrigatoriedade de auditoria independente por auditor registrado na Comissão de Valores Mobiliários.

Parágrafo único. Considera-se de grande porte, para os fins exclusivos desta Lei, a sociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum que tiver, no exercício social anterior, ativo total superior a R$ 240.000.000,00 (duzentos e quarenta milhões de reais) ou receita bruta anual superior a R$ 300.000.000,00 (trezentos milhões de reais).

Nesse caso os sujeitos enquadrados como sociedade de grande porte estarão obrigados a cumprir as determinações da Lei nº 11.638/2007, independentemente do tipo societário. Cabe ressaltar que não se enquadram na categoria o empresário individual e a Eireli, mesmo que possuam a receita bruta citada (AQUINO, 2015).

Em resumo, a importância do enquadramento como microempresas e empresas de pequeno porte reside no fator de privilégio determinados pela Constituição Federal, mas que dependem de Lei Complementar para o seu benefício.

Tanto a microempresa como a empresa de pequeno porte poderão se beneficiar do tratamento diferenciado se optarem e não estiverem dentro das proibições legais (art. 3º, §4º da LC 123/06). Obterão como benefício a simplificação do pagamento de tributos, benefícios em licitações, escrituração simplificada pelo livro Caixa (AQUINO, 2015).

Desde 1988, com a edição da CF, o legislador constituinte procurou dar um tratamento favorecido aos pequenos empresários que, sob as leis brasileiras, tenham sua sede e administração no País (inciso IX, do art. 170 da CF) e no mesmo sentido, no art. 179 da Carta Magna, procurou-se garantir um tratamento jurídico diferenciado visando a incentivá-los pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias ou pela eliminação ou redução destas obrigações por meio de lei.

 

REFERÊNCIAS

AQUINO, Leonardo Gomes de. Curso de direito empresarial: teoria da empresa e direito societário. Brasília: Editora Kiron, 2015.

AQUINO, Leonardo Gomes de. Empresário: vicissitude e congruências do seu sistema legal. Revista de Direito Privado. São Paulo: Revista dos Tribunais, nº 35, p. 184-210, jul-set, 2008.

 

s200_leonardo.gomes_de_aquino-200x200-200x2001-200x200Leonardo Gomes de Aquino é Articulista do Estado de Direito, responsável pela Coluna “Descortinando o Direito Empresarial” – Mestre em Direito. Pós-Graduado em Direito Empresarial. Pós-graduado em Ciências Jurídico Empresariais. Pós-graduado em Ciências Jurídico Processuais. Especialização em Docência do Ensino Superior. 

Comente

  1. Luis

    Dr. Leonardo Gomes, por favor nos de uma orientação, Temos uma empresa de prestação de serviços, transporte escolar Gente da G. LTDA ME. Desde 1998, E esta empresa presta serviço diretamente para os pais através de contrato devidamente assinado pelas partes, acontece que devido a nossa qualidade do serviço prestados temos grande procura, mas a prefeitura de minha cidade fez uma lei em 2005 com artigo e paragrafo dando tratamento igual aos autônomos, nos limitando de adquirir mais veiculo e também nos limitando no numero de escolas que podemos atuar, achamos que essa lei é inconstitucional, se for isso mesmo inconstitucional qual a sua orientação? Desde agradeço.

    Responder

Comentários

  • (will not be published)

Comente e compartilhe