Notícias

Juíza do trabalho Valdete Souto Severo manda e-mail para Ricardo Boechat sobre o PL 116

 

13501758_210099959390229_1047218815206302558_n

 

Esta manhã Ricardo Boechat comentou o PL 116, após o ocorrido a juíza do trabalho Valdete Souto Severo enviou um e-mail para o jornalista pedindo que ele refleti-se sobre a defesa que fez a mais essa precarização. Abaixo confira o e-mail enviado que foi divulgado pela juíza nas redes sociais.

 

Caro Boechat

Escuto todas as manhãs teu programa. Sou juíza do trabalho em Porto Alegre, e Doutora em Direito do Trabalho pela USP.
Esta manhã, falastes do projeto defendido por Lasier Martins, que infelizmente foi eleito pelo meu estado.
Pois bem, gostaria de esclarecer alguns pontos importantes.

Em primeiro lugar, a lei vigente (Lei 8112) já permite a demissão do servidor que não desempenhar bem suas funções (artigos 127 e seguintes). Então, nesse aspecto, não há novidade. Os servidores também já são avaliados periodicamente.

A novidade é inserir critério subjetivo para o que será considerado “mau desempenho”, a fim de facilitar a demissão. Note que a possibilidade de utilização de critério subjetivo permite que o administrador descarte, inclusive, o servidor que com ele não compactua em termos de ideologia política, por exemplo. Ou seja, permite que a ameaça de perda do emprego seja fator de facilitação de perseguição política e assédio moral no serviço público. E isso em uma realidade na qual já está ocorrendo sucateamento das instituições públicas, parcelamento de salários e perseguição política.

Bem sabemos do momento de exceção em que estamos vivendo. Tu dissestes no programa de hoje que os serviços públicos muitas vezes são mal prestados. É verdade. O problema, porém, não é a garantia que os servidores têm contra a despedida. Se isso fosse verdade, os serviços de telefonia, já privatizados, seriam eficientes. Não são. Temos estruturas deficitárias, demandas em quantidade maior do que a capacidade de atendimento e tantos outros fatores que teriam de ser considerados e que impedem a análise simplista que joga a culpa sob os ombros dos servidores.

Praticamente todos os países ocidentais (todos os europeus certamente) reconhecem garantia contra a despedida para empregados de empresas privadas e estabilidade para várias categorias. Nem por isso, os serviços na Alemanha, por exemplo, são mal prestados. Servidores não tem privilégios, tem direitos! Direitos que deveriam ser estendidos à iniciativa privada, e não suprimidos.

Não podemos capitular diante de um discurso liberal que está rifando direitos mínimos. O mesmo já ocorreu com a reforma trabalhista, que sob falsos argumentos precariza ainda mais as condições de quem trabalha no Brasil, prejudicando com isso não apenas o trabalhador e sua família, mas também o próprio mercado interno, porque reduz consumo; o próprio estado, porque suprime base de arrecadação para a previdência.

Retirar proteção para o trabalhador servidor (que na realidade do estado que o senador Lazier representa está tendo seus salários parcelados), privatizar, retirar direitos trabalhistas, é criar instabilidade. Ou seja, é ruim para todos. A questão aqui não passa pela qualificação do serviço, mas pela intenção de reduzir ainda mais o número de servidores, prejudicando a prestação eficiente do serviço.

Essa lei, se aprovada, ao lado da EC 95, implicará a completa falência dos serviços públicos que, para a realidade concreta de um número expressivo de brasileiros, é a única via para obtenção de saúde, segurança ou justiça. A proteção contra a despedida que é direito dos servidores, atende ao interesse público, pois evita (ou tende a evitar) que esses trabalhadores atuem pressionados pelo medo da perda do trabalho, permite que se qualifiquem ao longo do tempo e lhes dá a tranquilidade para bem exercer seu mister.

Caro Boechat, em um país com tantos desempregados e miseráveis, com tão alta concentração de renda, deveríamos estar batalhando para estender aos empregados da iniciativa privada o direito de não serem despedidos, senão pelo cometimento de falta grave como, repito, já é possível hoje, pela legislação vigente, em relação aos servidores públicos.
Será que não retrocedemos o suficiente com a reforma trabalhista?

Chega de retirar direitos sociais! O que conseguiremos com isso será a potencialização da miséria, da violência urbana, das doenças ligadas à instabilidade da vida contemporânea.
Esse discurso de retirada de direitos não promove avanço, não irá qualificar a prestação do serviço público. E não atende ao anseio da sociedade, basta ver os números da consulta pública no site do Senado (101605 contra e 34820 a favor).

Por te considerar um dos melhores comunicadores da atualidade no Brasil, te peço que reflita acerca da defesa desse projeto nefasto, cuja “propaganda” é já enganosa, pois distorce a realidade vigente. E cujas consequências atingirão, inclusive, o cidadão que busca tais serviços.
Abraço fraterno,

Valdete Souto Severo

Comente

  1. Vasco antonio bampi

    Que novidade foi dita. Nenhuma. É óbvio de que servidor desidioso pode ser excluido. Mas estamos falando nos apadrinhados dos políticos e nao casos da Justica do trabalho

    Responder
  2. Everton Fleck

    Bom dia!
    Boechat.. . Acho que a Dr. Valdete tem muita coerência e tem fundamento.
    Temos de dar mais resistência a precarização dos serviços e dos direitos sociais em nosso Brasil.
    Acho que temos de buscar alternativas para estes momentos de mudança e não tirar direitos , como está forma neoliberal de tirar onde em outros países bem acrescentando!
    Hoje no atual momento da evolução humana devemos favorecer o despertar de consciência mental… emocional e espiritual, mas com respeito ao ser humano pois ele não é máquina nem escravo do sistema!
    Abraços
    Everton

    Responder
  3. junia ananias de sillos

    Muito esclarecedor o e-mail desta Juíza. Não só Boechat, mas todos nós devemos nos conscientizar de que o intuito final é o desmanche do serviço público.

    Responder
  4. mauricio candido de souza

    Foi aula de cidadania que esta Juíza deu ao Sr. Jornalista Boechat, foi desenrolar da linha da verdade principalamente aos analfabetos sociais, esses são os piores em nossa sociedade, mostrou brilhantemente a equação do ataque aos trabalhadores é ao prório estado, o retrocesso econômico, seria bom o Sr. Jornalista fizesse uma visita aos livros de max.

    Responder
  5. Muito obrigada Dra por esse e-mail marivilhoso. Parabéns!

    Parabéns! Dra. Falou tudo.os trabalhadores e os seventuarios agradecem

    Responder
  6. Jose sávio Teodoro de oiveira

    Parabéns juíza Valdete souza por sua manifestação e esclarecimentos,infelizmente alguns comunicadores não por má-fé mas acredito eu,por desconhecer as leis já vejentes,fazem coro a esta onda neoliberal do mercado resolve tudo ou como explicastes muito bem,tomar uma pequena parte pelo todo.Boechat muitas vezes tem sido tomado por um excesso de indignação e tem cometido arroubos intempestivos e se caracterizando mais como um falastrão,perdendo a credibilidade e contaminando os menos informados,o que não é o caso dele,acredito!Mais uma vez parabéns!

    Responder
  7. Luiz Pimenta de Almeida

    O texto da Excelentíssima Juíza é IRRETOCÁVEL.
    Como médico do serviço público, lotado no Ministério da Saúde Bahia, sou anualmente avaliado por desempenho das atividades exercidas.
    Portanto já existe legislação neste sentido.

    Responder
  8. Enéas Oliveira de Aquino

    Doutora!
    Acredito que isso não será possível , por que como Boechat pertence a uma mídia comprada pelas grandes corporações e esse governo que aí está, Ele não pode abrir a boca para reclamar nem defender nada que venha beneficiar o povo.

    Responder
  9. Moacir

    Estou de acordo com a Excelentíssima Dra. Valdete Souto, o problema de eficiência no sistema público não são seus servidores, que tentam fazer seu trabalho em condições adversas, mas sim de pessoas como esse Sr que propôs esse PL, onde está o caráter pra elaborar um PL para os políticos?

    Responder
    • Daniela

      Prezada Lidia, A dra Valdete não está falando em causa própria pois nem servidora ela é e sim magistrada. Como magistrada ela não será atingida por tal regramento . Caso não tenha prestado a devida atenção a dra Valdete chega a dizer que o ideal não é retirar direitos e sim estende-los a TODOS!

      Responder
  10. Celso held

    Na vdde, esse Boechat, é, cociente de tudo isso,igual a muitos, mas pque eles defende, não sei… talvez por obediencia ao patrão, ou, por ser contra o trabalhador mesmo.
    Muito obrigado Dra.

    Responder
  11. Jose da Piedade e Silva

    Jornalista tem a mania de achar um monte de coisas sentadinhos na frente de microfones sem conhecer uma linha de nenhuma lei! Elegância da juíza ao esclarecer!

    Responder
  12. Paulo

    Parabens Dra Valdete, explicou bem detalhado, as vezes as pessoas emitem opiniões sem conhecimento, caso do Sr. Boechat.

    Responder
  13. Jose Murilo Soares da Silva

    Boa tarde, essa sra está olhando para o proprio umbigo, pq servidor publico deveria ser extintos todos no geral.

    Responder
  14. Dirce Pereira Rezende

    Gostei, Valdete, de sua explanação acerca do posicionamento em relação ao PL 116. Sua clareza e coerência, alinhavadas com nossa atual realidade sócio-política-econômica é bastante inspiradora por colocar com clareza a desnecessidade de tal medida. Namastê!!!

    Responder
  15. César Damasceno

    Não sei o que se dará, o certo é que parabenizo por sua absoluta educação no trato com o apresentador. Que apesar de as vezes não admitir voltar a traz em algumas de suas defesas, ainda nos resta a espectativa de que ele admite que nem sempre, e nem poderia ser, esteja com a razão.
    Tbm assisto a Ricardo e admiro muito o profissionalismo dele. Com algumas ressalvas e claro. Ricardo e gente da gente …

    Responder
  16. Márcio dos Santos Barbosa

    Os servidores públicos são privilegiados sim . Concordo com o BOECHAT. Vamos enxugar a máquina que sobra mais para as camadas de baixo da sociedade…. Servidor público tem que servir ao público e não se servir do público…. Nós somos os seus patrões…. Duvido que a maioria dos servidores tenha toda essa abnegação e devotamento pelas causas da maioria… Estabilidade e privilégios são o objetivo dessa casta da sociedade…. E passem todos muitíssimo bem….

    Responder
  17. Valmir Soares

    Concordo em parte, direitos tem que ser conquistado e não retirado. Mas no sistema em que vivemos, equiparar o funcionalismo com o trabalhador da iniciativa privada isso nunca acontecerá. Eu entendi o que o boechar quis dizer, os direitos do funcionário público estão muito além da realidade.

    Responder
  18. Sinfronio Mendes Ferreira Neto

    Esse sr. Boechat que sempre critica a moralidade alheia nem sempre vigia o próprio quintal com a mesma severidade.
    No início agora do governo Temer me lembro de noticiarem uma visita do presidente da república ao presidente do grupo Band, o Sr. Saad.
    Coincidentemente, após essa visita, a emissora deu uma forte mudança de rumo nas críticas feitas pelos seus jornalistas ao sr. Michel.
    Contratou-se o famigerado Reinaldo Azevedo e a ele deu-se um espaço de 1h (18 às 19h) na radio bandnews para, abertamente, elogiar os _feitos_ do Temer.
    O Boechat deixou de _bater_ diretamente no presidente e passou a critica-lo de maneira difusa, aquela crítica geral que não destrói ninguém. Aquela campanha diária que fazia de “fora temer” que também seria (é) tão corrupto quanto os gedeis, jucas da vida foi veladamente suavizada.
    Não seria o caso desse jornalista pedir o boné e deixar o empreguinho ?!

    Vejam o espaço que a Band dá hoje aos “grandes” feitos do Temer.

    Estou falando do Boechat pq esta atitude complacente e conivente desse “bravo” jornalista é emblemática e mostra bem com a coisa funciona.
    Esse Boechat me lembra muito aquela velha e persistente hipocrisia dos suiços que se gabam de serem de uma _civilização superior_ enquanto vivem e se organizam através de granas podres que, vindas de todos os cantos do mundo, acham guarita nos “sérios” bancos pátrios.
    E observem o quanto o seu Ricardo se acha superior aos colegas.
    Observem como reage aos mais simples adendos que por acaso algum colega de bancada ousa a fazer em seus comentários.
    Já com o diretor dele, o sr. Mitre, aí essa _brava reserva moral do jornalismo_ se torna uma _xuxuka_.

    A estabilidade do servidor público é de intetesse da sociedade.
    Como Fiscais Agropecuários indeferimos a solicitação de importação de bovinos de interesse do então governador do estado na época. O gado seria proveniente de país europeu quando naquele continente ocorria a Encefalopatia Espongiforme Bovina (vaca louca).
    Retire-nos a estabilidade e veja se no caso descrito permaneceríamos no cargo. Esses exemplos ocorrem no dia a dia.

    Responder
  19. Paulo Roberto Baggio

    Eu gostaria de perguntar. Qual valor da aposentadoria do setor privado quando o trabalhador se aposenta. Pois o valor eu sei.Agora todo empresário do mais rico do Brasil ao mais pobre. Qual é o valor? E do setor público?

    Responder
  20. Álvaro

    Esclarecedor excelência. Parabéns e obrigado pelo alerta, principalmente no que diz respeito aos direitos que o funcionalismo público tem e o privado não. A questão não é retirar os direitos e sim ampliar para aqueles que não os tem. Se assim querem que seja, por que então não o fazem com a famigerada reforma da previdência…comecem a reforma de cima para baixo e não o contrário.
    Boa tarde.

    Responder
  21. AUGUSTO

    A Sra juíza prova com sua opinião que nem sempre os melhores emitem melhores opiniões. RICARDO Boechat com seu notável saber também se equivoca, pois não percebeu a intrínseca inversão de valor, não apenas jurídico, mas social. PRECISAMOS TANTO DELE QUANTO DA SRA VALDETE.

    Responder
  22. Ítalo Giácomo Guffi

    A Juíza tem razão; os políticos sempre agem, na maioria das vezes, sob influências escusas. Sempre têm um discurso pronto para enganar o cidadão. Eu trabalhei, antes da privatização, durante anos, numa empresa pública de telecomunicações e sei muito bem a “política adotada” pelo alto escalão da administração da empresa, em comum acordo com o ministério das comunicações, para demonstra-la inoperante e ineficiente diante da opinião pública. Enfim, o governo FHC, na época, fazia a seguinte propaganda: “Privatiza para melhorar!…” Pois o tempo passou e vimos que tudo foi uma falácia, enganação. Veja hoje o número de reclamações das empresas de telecomunicações. As empresas precisam INVESTIR em pesquisas, inovações tecnológicas e em capacitação humana.

    Responder
  23. Silvano

    Boa tarde excelentíssima dra. A telefonia no Brasil mudou sim, radicalmente para melhor após a privatização, ter uma linha telefônica por volta de 1994 era artigo de luxo, a população inteira hj. tem acesso a telefonia, como o admirável Boechat tem dito, funcionário público tem muitas vantagens e regalias q o setor privado não tem, pois não suportaria, empresa pública não é mãe, ela tem que dar lucro, não prejuízo.

    Responder
  24. Luiz Machado

    Interessante que o projeto foi feito por uma senadora desconhecida que é campeã de ausência no senado, onde não compareceu a 80% das sessões!

    Responder
  25. Vanildo amaro

    A juiza esta correta e jornalista errado sou de uma cidade da baixada fluminense o pref.daqui esta tirando dos funcionarios ate a pasagem que é de r$56,00 por mes alimentação de r$90.00 estes valores já sao desde 2001 tem funcionarios passando fome quem estraga o funcionalismo publico não são os concursados são os comissionados dos politicos que fazem todo tipo de besteiras para favorecer os mesmos aqui um funcionari com 17 anos ganha menos que um comissionado se contar-mos o salario e beneficios que eles ganham tambem . Obrigado

    Responder
  26. Nélio c. de Oliveira

    Dra. Juíza, seu discurso está alinhado com o corporativismo que assola nosso país. Estender benefícios aos empregados da iniciativa privada? Um absurdo. Tem de dar os mesmos direitos a todos, sem onerar o tão espoliado gerador de emprego. Aos invés de manter esses funcionários cheios de “direitos” fiscalize para que não ocorra perseguição. Que o funcionário público é ineficiente, isso é do conhecimento de qualquer cidadão que necessite desses serviços. Para nosso país, não há solução se não houver mudanças drásticas. Inclusive não judiciário. Um juiz no Brasil se tornou um aspirante a Deus, com previlegios que até Ele duvida. Faz qualquer coisa absurda e é aposentado com paridade, como “punição”. A senhora não conhece o Brasil real.

    Responder
  27. Gilberto de Oliveira

    Boa tarde dra. Valdete,
    Fico muito feliz por alguém de bom senso se posicionar a favor do trabalhador, não só do serviço público, mas também da iniciativa privada. Todos nós precisamos trabalhar, para honrarmos com os nossos compromissos e sustentar a nossa família com dignidade. Um cidadão sem o seu trabalho ele se sente desmoralizado e com a sua auto-estima baixa. Que os nossos governantes e comunicadores possam, realmente refletir quando fizerem defesa em favor deste PL 116, (o PL da maldade.).

    Responder
  28. José Alencar

    Estamos no caminho do retrocesso! Não ao retrocesso pre Getulio mas ao retrocesso pré Princesa Isabel! Absurdo é pouco..

    Responder
  29. Reinaldo

    Parabens Dra. Valdete Souto Severo. Análise muito bem feita. Com essas palavras me sinto honrado como servidor do Estado de São Paulo. Pois somos sempre julgados como detentor de privilégios o que não somos.

    Responder
  30. Junior Moreira

    O padrão do serviço público brasileiro é conhecido, independente da falta de estrutura.
    É senso comum que encontrar um servidor público que te atenda bem é uma sorte e exceção a regra.
    Os argumentos pra manter a estabilidade são sempre os msm. Pode acontecer. Ou não. Do jeito que tá não tá bom

    Responder
  31. Alexandre

    Gosto do Boechat, ele é dos nossos, mas gostei ainda mais dessa juíza, me encanta ver gente do poder judiciário sendo dos nossos!

    Responder
  32. Carlos Alberto

    Porque ela não fala em relação a Uber, que está tirando o emprego de tanta gente no Brasil.

    Responder
  33. Josiel

    Muito boa a iniciativa da juíza, mas acho que será improdutiva, pois Boechat também presta um serviço ao estado liberal. Se não fosse, não estaria empregado em uma das maiores redes de televisão do Brasil. Os comentários dele são sempre no sentido de ou “chutar cachorro morto” ou fazer a defesa explícita de medidas impopulares. A diferença é que ele posa de intelectual. Só isso.

    Responder
  34. Viterbo

    Fácil para ela juíza que faz parte da elite e teve chance de estuda e presta concurso e fazer defesa de gente que trabalhar com muita má vontade porque sabe que tem proteção e fácil defender a classe dela quero ver e ela ir trabalhar no setor privado ela mais que ninguém que aqui no Brasil nunca foi é não será o setor privado igual o público

    Responder
  35. Petrônio Eunapio de Melo Borges

    Sim, dra. Valdete, a senhorra mostra o outro lado da moeda que, a grandde mídia nao enxerga, ou enxerga!?. Petrônio – Ecomista/ Adiministrador, UnB e UDF. Grande abraço.

    Responder
  36. Joaquim

    Parabens à juíza pela ótima colocação. É isso q sinto. Nós não precisamos de um governo que sucateie o trabalhão. Tirando a dignidade das pessoas. Não dá mais para ouvir certos comentários neoliberais e achar q é normal num país,onde o trabalho é além do país, desenvolvimentista.

    Responder
  37. Wagner

    Boa tarde a todos em especial a excelentíssima juíza ! Sou ouvinte assíduo do programa do Boechat infelizmente ,talvez nesse dia não ouvi , custa-me crer que ele tenha dito palavras de apoio a uma atrocidade, esdrúxula e imoral que estão tentando fazer com os funcionários públicos, em meio a tantas outras que já vem acontecendo ao longo do tempo e nos quanto cidadãos aceitamos calados .Vou procurar me informar desse programa para dar uma opinião é também não pecar com maus entendidos .

    Responder
  38. Márcia Jurema de Assis Pereira David

    MM. Dra. brilhante do princípio ao fim a vossa manifestação. Parabéns pelas impressionantes cultura e sabedoria.

    Responder
  39. Cesar

    A telefonia certamente não é digna de uma nota dez; porém, tal comparação só depõe contra ao que defende a juíza, pois, apesar de tudo, é infinitamente melhor que antes. E dizer que a estabilidade é uma certa defesa contra assédio de políticos, por exemplo, só fortalece a ideia de privatização de tudo o que for possível privatizar. E o Biechat está coberto de razão.

    Responder
  40. Wagner

    Boa tarde a todos em especial a excelentíssima juíza ! Sou ouvinte assíduo do programa do Boechat infelizmente ,talvez nesse dia não ouvi , custa-me crer que ele tenha dito palavras de apoio a uma atrocidade, esdrúxula e imoral que estão tentando fazer com os funcionários públicos, em meio a tantas outras que já vem acontecendo ao longo do tempo e nos quanto cidadãos aceitamos calados .Vou procurar me informar desse programa .para dar uma opinião é também não pecar com maus entendidos .

    Responder
  41. Renato Martins

    Não me espanta nem um pouco, essa posição do Boechat, afinal o que se pode esperar, de um camarada, que diz que as crianças têm que ser expostas, a cenas como as que ocorreram no MAM para que elas próprias, decidam se aquilo é bom ou não pra elas.

    Responder
  42. Ângelo nobre

    Lembrando que a própria ilustre juíza é uma servidora pública, que certamente usufrui das garantias tão defendidas por ela.

    Responder
  43. Di Hernandes

    Boechat, que era um baita jornalista, agora é só mais um lambe-botas de corruptos poderosos. A mudança ocorreu depois do “reajuste” do repasse governamental à Band de mais de mil por cento. O cara afinou, emburreceu, desmoronou… Triste.

    Responder
  44. Tarcísio Antonio do Nascimento tar

    Era ouvinte assidui do Boechat bem como leitor assíduo de Ricardo kostch. No entanto ambos passaram a tocar violão com uma nota só por determinação dos patrões acredito ou por vantagens
    Ha muito não leio nem escuto. Traiçoeiros

    Responder
  45. Clebio Nobre do Bomfim

    Concordo plenamente com o vosso pensamento acerca da demissão de funcionários públicos, não sou funcionário público, porém diariamente observo o grande esforço que enfermeiras fazem em hospitais e postos de saúde que se quer tem dipirona para servir aos enfermos, da luta constante dos policiais que muitas vezes trabalham com armamento e equipamentos sem condições, dos professores que muitas vez\es não tem materiais básicos como lápis e cadernos para suprir a falta dos alunos, onde não tem tinta na impressora para tirar cópia de atividades.
    Entretanto isso é dever do Estado, porém quem paga a conta é o funcionário que diariamente está lá lutando pela sociedade, mas ele paga a conta pela ineficiência dos governos e a má distribuição das verbas.
    Muito obrigado por essa linda observação referente a esta facada que querem dar no funcionalismo público e desviarem o foco de assuntos mais pertinentes junto a sociedade.

    Responder
  46. Francisco Eugênio Reis e Silva

    Tenho uma grande curiosidade em saber,quanto o Grupo Bandeirantes de Comunicação,recebeu mensalmente do governo Temer,da data que ele assumiu até hoje,a título de divulgação do governo federal.Por favor,quem puder me esclarecer,de já agradeço.

    Responder
  47. Cláudio Rodrigues da Silva

    Diante do contexto político, econômico e social, a sua posição está corretíssima. Esse tipo de jornalismo tem que acabar, ou seja, o angora emiti a sua opinião política sobre os fascistas que estão no poder. Somando com a política de desmonte do Brasil. Sendo assim, estamos diante do estado de exceção, no qual, a mídia atua em consonância com parte do judiciário, parte do MPF e com o governo golpista do Michel Temer. Mas eu ainda defendo o Brasil, pois, temos a “brava gente brasileira…” ! É pessoas como a senhora que me mantém nas primeiras fileiras de combatente mais destemido no enfrentamento ao fascismo no nosso país. Parabéns!

    Responder
  48. Ademar Aleixo Camilo

    dra Valdete, felizmente apareceu Alguém que deu uma resposta ao brilhante jornalista RICARDO BOECHAT. Esse projeto excelência é um tiro mortal no coração do SERVIDOR e do TRABALHADOR CELETISTA. É o que de pior apareceu nos últimos dias. O servidor tem estabilidade não porquê ele é uma casta! Mas sim, porque o serviço público requer essa estabilidade. O servidor tem que ser treinado constantemente. Sou um servidor público estadual, lotado na Secretaria de Estado da Saúde. Tenho que estudar ininterruptamente, caso contrário não conseguirei realizar um trabalho de qualidade.
    Os mentores desse PL, deveriam em primeiro lugar, elaborarem projetos que que permitisse que um político ao praticarem atos ilícitos, possam ser demitidos sumariamente, a bem do serviço público sem direito a voltarem à vida política.
    É preciso avisá-los que a população está atenta. Ontem, 05/10/2017, na calada da noite votaram um projeto sensurando o livre direito de criticar os canalhas do Congresso e Senado, quando aprovaram a lei que os da o “direito” de retirarem qualquer propaganda que os critique.
    Parabéns idiotas canalhas. Voces, tenho plena convicção, não voltarão nunca mais à sena política.
    Sra Juíza, Valdete, que a senhora sirva de exemplo ao prepotência e pedi ario Juiz Gilmar Mendes. Não suporto este elemento.

    Responder
  49. Humberto Soeiro Pinto

    Parabéns Valdete souto Severo! Que bom ver que no judiciário existem pessoas que amam a JUSTIÇA e não se intimidam com as mídias!

    Responder
  50. Otávio Gonçalves da Silva

    Tudo para enfiar trocentos mil comissionados no lugar dos concursados….Tamos de olho….

    Responder
  51. Suzana Mendes

    Muito boa a reflexão sobre a Lei e o momento vivido por todos os brasileiros.
    Precisamos de alguém para nos defender.

    Responder
  52. José Osario Lacerda

    Eu gostaria de ver a Dra. falar a respeito do corporativismo, dos benefícios que são concedidos a uma casta de servidores que custam um absurdo para ser sustentados por nós trabalhadores simples mortais . Vejo todos contra os trabalhadores na medida em que esses não querem a reforma trabalhista, só por um motivo, querem continuar com as benesses quando se aposentam hoje em muitos casos com salários absurdos para os padrões de um pais com uma taxa de probresa como o nosso. A verdade é uma só, brasileiro só olha para o próprio umbigo, se eu estiver bem, dane-se os outros. Nunca seremos um país de vergonha infelizmente.

    Responder
  53. Elizabete Silveira

    1)Concordo com a excelentíssima Juíza Valdevez, chega de tirar direitos do povo trabalhador.
    2) Também acho o Jornalista Boechat um dos melhores da atualidade.

    Responder
  54. Beatriz

    No texto do cabeçalho “Esta manhã..” O correto é: “…que ele REFLETISSE…”
    Por favor gente, erro horrível!!!!

    Responder
  55. Marcos

    Pelo amor de Deus! Citar a telefonia é até sacanagem! O serviço é ruim? Sim é péssimo! Mas lembre quando era estatal. Um lixo!
    Discurso de quem quer perder a boquinha do estado!
    Só ir a um banco público e comparar o serviço com um privado! Só ir no INSS e ver que lindo serviço! Só ir num fórum e sentir toda a agilidade e qualidade do serviço público! Os critérios subjetivos a que a senhora se refere sempre existiram na iniciativa privada e todos vivem bem com isso

    Responder
  56. dell libarino

    parabens excelêntissima juiza,concordo plenamente com vossa excelência, não se pode precarizar o estado mais do que ja se encontra,eles estão querendo levar o estado para a utei

    Responder
  57. André Gomes

    Quero acreditar que seja na melhor das boas intenções, o que mantém o inferno lotado, mas estão vendendo o Brasil, esses que se acreditam donos, está difícil, quero crer que hajam pessoas capacitadas e inteligentes , que baste para salvar essa patria, bem a Dra. Acima é uma delas, agradeço muito.

    Responder
  58. Carlos

    Se uma empresa privada tivesse um quadro de funcionários da estirpe do funcionalismo público, sucumbiria. A comparação com as empresas de telefonia, me parece inadequada pois neste caso os ruins são os patrões que juntos ao governo compram as teles e administram com falcatruas. Por último, sugiro a juíza torna-Se empresária para saber o que passamos, estabilidade para o setor privado seria o assassinato das empresas além do desestímulo para criação de novas.

    Responder
  59. Francisco

    Bom dia a todos. O apelo da Juíza do Trabalho ,não surtirá efeito o jornalista em questão foi picado pela mosca do sucesso. Ele vai em direção de qualquer tema que lhe traga fama ,sucesso e boas relações. Infelizmente para ele já não importa a direção mas somente o fortalecimento da sua fama. Já se perdeu no meio do caminho ,é só mais um justificando ,os meios justificam os fins.
    Francisco Silva

    Responder
  60. Dalis

    Parabéns a Dra Valdete pelo lúcido posicionamento. Agora ,o problema do Brasil deixa de ser a corrupção e passa a ser o servidor público. Oh políticos caras de pau!!! Essa PL 116 Não pode ser aprovada, vamos acordar povo brasileiro!!

    Responder
  61. Lourival da Silva Souza

    Isso é uma realidade o que foi dito pela juiza sou funcionário público e observo muitos funcionários concursados que se empenha para prestar um bom serviço mas é perseguido por não se envolver politicamente com o Gestor enquanto têm outros que presta um mal serviço e é cheio de regalias e promoções, vantagens porque fez parte da campanha política, e muitas das vezes alguns recebe seus salários sem sai de casa.

    Responder
  62. Heinz Gustavo Heringer

    Cara Juiza Valdete Souto e Boechat.O Problema nao esta ai. E sim..na desigualdade salarial do servidor publico. Ninguem neste pais pode ganhar como servidor pode ou deve ganhar mais q a maior autoridade deste pais.Q e o presidente da republica.Pronto. Este e o balisador trabalhista Nr.1. Dali p/baixo administrado por valores e niveis profissionais e culturais conforme sua capacidade conquistada por concurso ou carreira interna sem uma desigualdade salarial descabivel ou assustadora entre um nivel a outro d funcao. Desculpe pelos erros aparentes. Mas e devido o equipamento se
    r esta EM alemao. E 20 anos viver na Alemanha por nao aguentar d tanto ser assaltado e roubado neste pais TAO bonito. Mas nao querer SE ajustar.
    Art,
    HEINZ Gustavo Heringer

    Responder
  63. Alfredo de Barros

    Cara Juíza, Doutora Valdete Souto Severo.
    Compactuo em quase tudo dito em seu comentário.
    Servidor público, via de regra não tem carreira, não tem estímulo para evoluir no seu serviço, vê a cada nova gestão um bando de “chefes” em Comissão mudando as regras do jogo e mesmo nos órgãos públicos onde haja Avaliação de Desempenho essa é capenga e tendenciosa. Outro mal que afeta o desempenho do Servidor é a qualidade quase sempre muito ruim dos Sindicatos, formados por Servidores preguiçosos e sem condições de conduzir a categoria. É comum se ver sindicalistas progredirem financeiramente enquanto seus representados permanecem sem proteção do Sindicato.
    Por outro lado, existem muitos servidores que, passado o Estágio Probatório, “sentam a bunda na cadeira” e esperam a aposentadoria.
    Acho, salvo melhor juízo, que os serviços públicos deveriam ser melhor definidos: só caberiam a esses as tarefas excepcionalmente únicas e intransferíveis à iniciativa privada. Por exemplo, a Fiscalização, é uma tarefa inerente ao serviço público. Ter frota de veículos, manutenção de ruas, oficina de mecânica? Não sei se de fato são atividades exclusivas do Serviço Público.
    Quanto à supressão de direitos dos trabalhadores, acho que nosso atual “governo” está num caminho sem volta. Caminha a passos largos para ruína de nosso sistema trabalhista. Vai chegar uma hora em que, por falta de recursos nas mãos dos trabalhadores, o Fisco Federal não terá mais de quem arrecadar. Aí é só vender o Brasil.
    Muito grato.

    Responder
  64. Darley Fernandes

    Esse jornalista anda falando muita incoerencia utimamente!! tá na hpra de ee rever seus conceitos e trabalhar a favor de seus telespectadores ou fãs .

    Responder
  65. Odilon Trindade

    Pela incidência descomedida de erros na linguagem formal, creio que a notícia seja falsa.

    Responder
  66. Custodio

    Cara juíza, Boechat poderia ser chato, mas não é !
    Achei estranho o texto. Incoerências gramaticais:
    Falastes do projeto. Tu dissestes. Tem direitos. Esta manhã, falastes. Te peço que reflita.

    Responder
  67. Allan Vinhal

    Fantásticos a visão dos fatos e a explanação da Juíza. É um erro mto grave e preocupante abrir espaço para subjetividade na demissão de servidores, porque ameaça o servidor de demissão por não compactuação com condutas ilícitas por parte dos superiores. Consequentemente, ensejará aumento da ocorrência de atos criminosos no serviço público.

    Responder
  68. Maria Helena Teixeira Q.Dias

    Ganhou meu abraço fraterno, meu respeito, meu agradecimento. Tudo q falou é consistente…a perseguição existe sim e é perigosa e danosa.

    Responder
  69. luciano teles

    Ouço Band News todos os dias no Rádio. O
    Boechat, é jornalista bem informado e tem muita vivência neste meio de comunicação.
    Quanto a Juiza, ela foi muito feliz e educada no escreveu com total conhecimento de como funciona a instituições públicas sobre o assunto que está preocupando, acredito eu, os improdutivos e alguns produtivos que não compartilham com ideias perversas de alguns agentes de confianças que ocupam uma determinada unidade.
    Ela foi verdadeira e autêntica na informação.

    Responder
  70. Julio Alves

    Meu total apoio à meritíssima!
    Minha atual pouca atenção ao que diz Boechat, capaz de ir de zero a 1000 em termos de coerência, em menos de um segundo. Estava me desinteressado pela Band News, só sintonizando na hora do Simão. Nessa hora, Boechat continua sendo bom. Mas sinto que é porque não precisa ser sério. Tem prejudicado mais que ajudado. Gosto quando é literalmente enquadrado por Mônica Bergamo, com quem ele pisa de mansinho.
    Doutora, sinto-me orgulhoso de ser um trabalhador e saber que há alguém como a senhora nesse mundo.

    Responder
  71. José Antonio

    Bastante válida a tentativa da juíza Valdete de mostrar a realidade por trás desse PL 116, mais um retrocesso nas conquitas dos brasileiros.
    Apenas falhou por um detalhe, o destinatário do email não é quem ela pensa.
    Ela remeteu o email pensando naquele Boechat combativo por causas justas que existiu há muitos anos.
    Infelizmente o Boechat atual, que vai receber esse email, é outro completamente diferente. Esse atual, cooptado pelo poder econômico dos golpistas, tornou-se um deles, e atualmente usa da sua eloquência para reproduzir e defender as ideias e políticas mais retrógradas e cruéis com a população, sem qualquer escrúpulo, manchando definitivamente sua carreira, em troca sabe-se lá de quê. Mais um que vai pro lixo da historia de forma vergonhosa. Lamentável…

    Responder
  72. Juarez Cavalcante

    Parabéns Doutora!
    Diante de tanta injustiça…tanta confusão…e de tanta irresponsabilidade, você trás à tona, uma postura de quem ainda ama o país e respeita nosso povo!

    Responder
  73. ANTONIO ROBERTO BORGES FREIRE

    Gostaria que os servidores dos poderes legislativo e judiciário fossem também avaliados, com frequência. Os servidores do executivo, muitas vezes, são “culpados” por muita coisa!
    Seria interessante que os senadores, deputados federais, estaduais e distritais, além dos vereadores fossem avaliados também. Nesse caso, não basta as eleições para serem ou não reeleitos. Eles deveriam ter carga horária de 40 horas semanais e férias uma vez ao ano. Aos salários não seriam acrescidos nenhuma mordomia.

    Responder
  74. Alvaro Magno

    Será o que o Boechat fala é pensamento dele ou o que a Bandeirante man_
    da Ele falar.. É o Alexandre Gracia da Globo.

    Responder
  75. Heloísa

    Os servidores públicos devem ir às ruas e defender direitos que foram conferidos constitucionalmente para garantia da continuidade dos serviços públicos de qualidade à população, muitas vezes sucateados por governos corruptos e neoliberais que investem no sucateamento para justificar o álibi da terceirização ou privatização desses serviços para seus “laranjas”,
    em licitações suspeitas, viciadas ou inexistentes. Os servidores públicos devem ir às ruas defender a estabilidade constitucional que pertence à sociedade, defender o aperfeiçoamento e melhor estruturação das repartições públicas para o melhor atendimento, a valorização dos servidores e o fim dos privilégios e super salários que são concedido às cúpulas políticas das hierarquias existentes dentro das estruturas funcionais dos três poderes do Estado, cúpulas essas comprometidas muito mais com seus super salários, mordomias e relações de poder, distantes do conjunto majoritário dos servidores públicos e da priorização da qualidade e abrangência dos serviços públicos. É nas ruas que os servidores públicos devem estar agora para impedir o avanço dos traiçoeiros destruidores da nossa Constituição e é nas urnas que deve mostrar seu repúdio às propostas neoliberais ávidas pelos lucros que pretendem obter com as terceirizações e privatizações, defendidas também por muitos jornalistas que dispensam e desprezam os serviços públicos em tudo que podem pagar com seus altos salários recebidos de empresários neoliberais dos meios de comunicação.

    Responder
  76. José Armando Einloft

    achei muito acertado o depoimento desta juiza e gosto muito deste reporter, mas sou funcionário publico concursado e tenho meus direitos subtraídos a mais de dezoito anos, insalubridade, que aqui onde trabalho é usado como premiação pra puxa sacos e castigo para desafetos. entrei na justiça ja duas vezes para receber este valor que a lei determina o pag, se houver, apenas dos últimos cinco anos. legalizando assim o roubo. e tenho queixas tbm a respeito de prazos que a justiça(?) tem pra resolver as demandas. quando e se eu receber ja estarei morto ou sem saúde pra gozar de tal direito. tudo, como as moedas, tem dois lados.

    Responder
  77. Arlete neves dos santos

    Hoje toda a culpa cai na conta do servidor mais nenhum dele foi pego com mala cheio de dinheiro ou mesmo recebendo propina. Parabéns doutora pelo belo discurso e espero que de alguma maneira contribua para que o servidor seja mais respeitado.
    Precisei trabalhar 30 anos para uma aposentadoria em que teve o salário reduzido enguanto eles se aposentam cheios de regalias.

    Responder
  78. MARIA TEREZA SANTOS TORTELLI

    Acho que antes de Boechat fazer essa defesa se informe como é hoje. Sou funcionária pública aposentada, trabalhei muito duro na Justiça Trabalhista. Em vez de perseguir os funcionários públicos, esse senhor Lazier devia propor uma lei de combate a corrupção, acabar com o ganho fácil dos srs. Políticos, ter lutado para a não aprovação desse fundo imoral para as campanhas políticas. Ou ainda, propor uma lei que permita que o político corrupto possa ser destituído do cargo e julgado pela justiça comum.

    Responder
  79. JOÃO CARLOS COSTA

    Mais somos penalizados por esta raça, inclusive, por esta Justiça do Trabalho e corporativista que não almeja a inclusão do trabalhador, mais sim manter suas benesses, até quando vamos ter que aturar esta mentiras

    Responder
  80. Hélio C Bonifácio

    Exerço função pública e tudo o que a juíza mencionou ocorre, apesar de existirem critérios de avaliação definidos não são respeitados, basta um gestor mau intencionado para o assédio acontecer. Acabamos de passar por uma reestruturação em que a quantidade de clientes a serem atendidos aumentou e número de funcionários foi reduzido e somos avaliados por critérios subjetivos
    A cidadã e a juíza Valdete tem razão, Boechat reflita.

    Responder
  81. Sandra

    Até que enfim, alguém diz o que vivemos falando… Vão ler a 8.112, já existem vários critérios de avaliação e não são poucos por sinal…

    Responder
  82. José Francisco Sassone Edom

    Acho, que essa a análise dessa magistrada é muito rasa. Quem fala muito em conquistas sociais, em direitos, em garantias, sabidamente é a turma da ideologia do Lula. Se já existe a demissão de funcionário publico, por que raramente se tem conhecimento de que um funcionário foi demitido? Ah! Desculpa, já ouvi e vi notícias de magistrados bandidos, venais e tudo mais perderem o cargo, porém os vencimentos, NÃO. Aí fica fácil ser servidor público. Na empresa privada não tem isso não. Necessário aprofundar, mas rapidamente esse projeto. Talvez alguns juízes passem a respeitar os horários das audiências, a respeitar a obrigação legal de receber os advogados, de cumprir prazos, de acelerar processos, ou simplesmente de serem pessoas, poi muitos se acham acima de alguma coisa que nem ele sabem. Não vou dizer a esta magistrada o que tenho, apenas o que sou. ADVOGADO. Toda vez que tenho que dizer o que tenho, me lembro da Dama de Ferro, Mardareth thatcher, que dizia: O poder é como uma dama, se tiver dizer a outras pessoas que é, não é”. Fazendo uma adaptação, diria: /o “ter” (cursos) é como uma dama, se tiver que dizer que é, não é/.

    Responder
  83. Maria Nunes

    Parabéns à Sra. Juíza, colocou, de forma clara e objetiva, a situação em que se encontra a sociedade brasileira. Eu também gosto de assistir aos comentários do Boechat e lamentável que ele tenha defendido tal PL.

    Responder
  84. ricardoeumontalvao@hotmail.com

    A Juíza disse tudo e bem claramente. Punição ao servidor que não presta já existe. O que está nas pretensões do Congresso e desse governo descarado é a subjetividade. Eles já são prostitutas e querem que os servidores sejam também.

    Responder
  85. Nazário Moreira Neto

    Não sei se estou concordando ou discordando da doutora, mas esse país precisa de mudança sim! Mudanças para em primeira mão, acabar com essa classe política nojenta, inescrupulosa, que ganha para ser eleita, ganha para se manter e se perpetuarem no poder. Quando tem denunciados por formação de quadrilha e corrupção dentro da corporação pública deles, vendem o voto para defender seus pares, diante de denúncias graves, como estamos vendo nos últimos tempos com Lula, Dilma eTemer, não esquecendo o FHC que comprou o seu segundo mandato, plantando assim o início do desmonte do estado. Sem nenhuma moral e competência para tal querem mudanças na Previdência e nas leis trabalhistas. Mantendo em seu favor aposentadoria especiais, mesmo sendo suplentes, se por um dia ocupar o cargo de titular, acumulando várias aposentadorias, direitos a mensalidades vultosas por anistias quando lecionava ou faziam turismo nos paises do primeiro mundo e outros benefícios que trabalhadores jamais alcançará. É esse o país que votou reforma política, só para arrancar do Povo bilhões para farra da campanha política de 2018. Sem perder nenhum privilégio e e ainda podem continuar com as doações pessoais que será o engodo para driblar o instituto da propina que arrebentou com as estatais, bancos públicos e fundo de previdência do trabalhador.

    Responder
  86. Sergio F. do nascimento

    Uma vez meu pai me falou: ‘Lembre-se de santo Antônio do Pádua. Quando não puder falar bem, não diga nada'”caro Boechat.

    Responder
  87. Luiz Cláudio da Costa

    Não acredito na JT, um dia juiz me falou que ali a mentira vira verdade.
    Então com não pactuo com a mentira. Pra mim justiça do trabalho é piada de mal gosto.
    Com todo respeito. Deveria ser extinta, pois os funcionários públicos nao são subordinados a Ela. Assim deve acabar.

    Responder
  88. Almerindo

    Se a empregabilidade no setor público fosse séria, até daria um credito. Porém com tantos apadrinhamentos fica a dúvida da seriedade dos concursos abertos para tal finalidade. Não sei se ela defende quem realmente quer trabalhar ou quem quer manter seu emprego vitalicio sem qualquer comprometimento.

    Responder
  89. Elizete P. Antunes

    Muito obrigada por cumprir com sua função social de praticar a coerência em favor da justiça de fato! Precisamos de mais profissionais assim no judiciário brasileiro! Fraterno abraço!

    Responder

Comentários

  • (will not be published)

Comente e compartilhe